SNS vai compensar médicos que trabalhem fora do horário normal

  • ECO
  • 26 Abril 2017

Os profissionais do Sistema Nacional de Saúde vão poder receber entre 12 e 19 euros mais por consultas e exames fora do horário normal de trabalho. Governo vai instaurar prazos máximos de espera.

Até ao final deste ano, o Ministério da Saúde quer instaurar — e reduzir — prazos máximos de resposta até aos quais os doentes podem esperar por vários tipos de exames no Sistema Nacional de Saúde. Para tal, vai pagar mais aos médicos que aceitem trabalhar fora do horário normal de trabalho. À semelhança do que acontece com as cirurgias, o Ministério da Saúde pondera pagar entre 12 e 19 euros mais por consulta.

A informação foi avançada ao jornal Público [acesso condicionado] pelo secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo. Face ao aumento da despesa, o Ministério da Saúde espera equilibrar as contas recorrendo menos vezes a unidades privadas e do setor social. São parcerias entre público e privado que, segundo o jornal, custaram no ano passado mais de 440 milhões de euros, uma despesa “muito elevada”, considera Fernando Araújo.

Os prazos que deverão ser estipulados até ao final de 2017 preveem uma espera máxima de 15 dias para radioterapia, 30 dias para medicina nuclear e angiografias e 90 dias para endoscopias, tomografias axiais computorizadas (TAC) e ressonâncias magnéticas. Por fim, entre as novidades está ainda a intenção de dar atendimento prioritário aos doentes cardíacos (já acontece com os doentes oncológicos). De acordo com o jornal, em caso de insuficiência cardíaca grave, o prazo máximo de espera pelas consultas é de 15 dias.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

SNS vai compensar médicos que trabalhem fora do horário normal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião