Macron e Le Pen. Quem defende o quê?

São dois candidatos que passaram à segunda volta nas presidenciais francesas. Um defende a permanência no euro, o outro quer sair. Conheça o que mais separa Emmanuel Macron de Marine Le Pen.

Montagem por Raquel Sá Martins
Há muito a dividir Emmanuel Macron de Marine Le Pen. Em comum, só um pormenor: são candidatos fora do sistema.Montagem por Raquel Sá Martins

Um defende a permanência no euro, o outro nem por isso. Um prefere a globalização, o outro é pelo protecionismo e pelo fecho das fronteiras. Passaram à segunda volta das eleições presidenciais, separados por quase nada. Mas o fosso largo e profundo que se estende entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen é muito maior do que os 2,22 pontos percentuais que os afastam nos resultados da primeira volta. No próximo dia 7 de maio, um dos dois será escolhido para Presidente da República de França. Eis o que os distingue, de acordo com a Bloomberg:

Infografia por Raquel Sá Martins
Fonte: BloombergInfografia por Raquel Sá Martins

Visões diferentes do futuro

Uma França a funcionar em pleno, com crescimento económico a bom ritmo, é um caminho que ambos imaginam diferente. Melhor: têm visões praticamente antagónicas. Emmanuel Macron é pela permanência do país na União Europeia, enquanto Marine Le Pen quer seguir as passadas do Reino Unido e sair. É uma das principais bandeiras de campanha da líder da Frente Nacional, que desde o início da corrida deixou os mercados muito, muito nervosos. Esta segunda-feira, dia de rescaldo da primeira volta das eleições, os investidores ficaram um pouco mas aliviados.

As ideias de Macron, mais ao encontro da visão republicana, são mais socialistas. As de Le Pen são claramente nacionalistas. Por exemplo, enquanto o candidato do movimento En Marche! promete uma maior flexibilização para as empresas, a candidata da Frente Nacional opta por dar mais direitos aos trabalhadores de nacionalidade francesa. A ideia de reinstaurar o controlo de fronteiras e criar um teto máximo para a imigração legal de 10.000 entradas no país por ano.

Se são separados por um fosso, há uma coisa que também têm em comum e que lhes valeu a chegada à segunda volta: são candidatos completamente fora do sistema. Vieram para carimbar um ponto final na tradicional separação entre esquerda e direita em França. É isso que, no fundo, os une. Mas que vale tão pouco quando prometem exatamente o contrário um do outro.

Vale a pena, por isso, olhar para como veem Donald Trump, o novo Presidente dos Estados Unidos que, tal como Macron e Le Pen, também veio para acabar com o status quo. Macron opõe-se à medidas mais polémicas (como a ideia de construir um muro na fronteira com o México), enquanto Le Pen defende que Trump na Casa Branca abona mais a favor da França. O candidato socialista é favorável, para já, às sanções à Rússia. Marine Le Pen é contra elas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macron e Le Pen. Quem defende o quê?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião