Macron leva petróleo a valorizar quase 1%

  • Rita Atalaia
  • 24 Abril 2017

O resultado das presidenciais francesas está a animar os preços do "ouro negro". O petróleo sobe quase 1%, impulsionado também pela possibilidade de a OPEP prolongar o corte de produção.

O petróleo está a valorizar quase 1%. O resultado da primeira volta das presidenciais francesas deste domingo tranquilizou o mercado petrolífero, com Macron em primeiro e Le Pen em segundo. Os preços da matéria-prima também estão a ser animados pela possibilidade de a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) prolongar o corte da produção de petróleo.

O Brent, negociado em Londres, sobe 0,87% para 52,40 dólares, enquanto o WTI, negociado em Nova Iorque, acelera 0,89% para 50,06 dólares. É uma recuperação, depois de várias sessões em queda, que acontece depois de um comité da OPEP ter chegado à conclusão de que é necessário prolongar a redução da produção de petróleo durante mais seis meses, de acordo com os delegados próximos do assunto.

Petróleo recupera após seis dias em queda

Fonte: Bloomberg

“Os produtores de petróleo do Golfo Pérsico deram uma pista forte de que o acordo atual para a redução [da produção] com os produtores fora da OPEP pode ser prolongado para além do prazo de junho“, diz o analista da PVM Oil Associates Tamas Varga à Bloomberg. “É difícil prever uma queda significativa dos preços antes da próxima reunião entre os países da OPEP e fora do cartel”, acrescenta.

Mas hoje há um evento que está a ser ainda mais relevante para os mercados. O resultado da primeira volta das presidenciais francesas deste domingo tranquilizou os mercados e lançou o apetite dos investidores pelo risco, com Macron em primeiro e Le Pen em segundo. “Macron não irá apenas ajudar a estabilizar a União Europeia, como também ajudar a construir mecanismos de suporte mais fortes”, afirmou Azad Zangana, economista-chefe da Schroders para a Europa, numa nota citada pela Bloomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Macron leva petróleo a valorizar quase 1%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião