Défice melhora 290 milhões de euros no primeiro trimestre

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 26 Abril 2017

Em comunicado, o Ministério das Finanças aponta para "estabilização da despesa"e crescimento da receita. Défice fixa-se em 358 milhões de euros.

O défice das Administrações Públicas melhorou 290 milhões de euros no primeiro trimestre do ano, face ao mesmo período do ano anterior, atingindo agora 358 milhões de euros.

A informação é avançada pelo Ministério das Finanças em comunicado, que aponta ainda para o crescimento de 22,9% do excedente primário, um resultado que atribui à “estabilização da despesa” (avança 0,3%) e ao aumento da receita (1,9%).

“O crescimento da receita foi condicionado por efeitos temporários ou sem impacto nas contas nacionais de 2017, com especial incidência nos dois primeiros meses de 2017”, adianta o comunicado. “Excluídos estes fatores”, a receita das Administrações Públicas “vem refletindo a melhoria da atividade económica”, sublinha o Ministério de Mário Centeno.

O comunicado realça alguns resultados, nomeadamente a receita bruta de IVA, que aumentou 7%, e as contribuições para a Segurança Social, que avançaram 5,5%, acima do previsto no Orçamento do Estado para 2017.

Já do lado da despesa primária, a subida de 0,4% é explicada “em grande medida pelo aumento da despesa de capital (15,9%), tendo a despesa corrente primária recuado 0,6%”.

A dívida não financeira — “despesa sem o correspondente pagamento, incluindo pagamentos em atraso” – é agora menor em 365 milhões de euros, “tendo o stock de pagamentos em atraso registado um decréscimo” de 42 milhões de euros, diz o comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Défice melhora 290 milhões de euros no primeiro trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião