Sem ajudas à banca, défice de 2016 teria sido 1,8%

O défice português do ano passado podia ter sido ainda menor. O INE reviu em baixa de 2,1% para 2%, mas caso não houvesse impacto das ajudas à banca, o défice seria duas décimas menor.

Segundo os cálculos do Eurostat, o défice do Estado português em 2016 poderia ter sido de 1,8% caso não tivesse de ajudar as instituições financeiras. No total, no ano passado, o impacto negativo das ajudas à banca foi de 0,2% do PIB. A informação consta da primeira notificação de abril sobre os défices da zona euro que o gabinete de estatísticas europeu divulgou esta segunda-feira. Em 2015 esse mesmo cálculo levava o défice para os 2,8%, dado que o impacto das ajudas à banca foi de 1,6%.

Na tabela em que faz este cálculo, o Eurostat alerta, no entanto, que estes números não são usados no contexto do Procedimento por Défices Excessivos, um método de controlo da Comissão Europeia da qual Portugal espera sair este ano. São vários os países onde as intervenções no setor bancário pesaram nas contas públicas. Em Portugal os dois anos em que pesou mais foram 2014 e 2015 com a resolução do BES e do Banif, respetivamente.

Impacto das ajudas aos bancos no défice do Estado (em percentagem do PIB).Eurostat

“No total, durante o período de referência de 2007-2016, o aumento mais significativo do défice fruto de intervenções governamentais nas instituições financeiras registou-se na Irlanda, seguida da Grécia, Eslovénia e Chipre“, explica o Eurostat. Existem países que até melhoraram o seu défice dado a dividendos de intervenções passadas, nomeadamente a Dinamarca, a Suécia e o Luxemburgo.

Esta quarta-feira, o Jornal de Negócios (acesso pago) avançou que as ajudas à banca — desde 2007 — já somaram mais 20,9 mil milhões de euros à dívida. Ainda assim, Portugal não é o país com o valor mais alto em percentagem do PIB. Dentro da zona euro, a Grécia lidera com 24%, seguindo-se a Irlanda com 22% e a Eslovénia com 16%. Em Portugal, o impacto das ajudas ao sistema financeiro nos últimos dez anos atingiu 11,3%.

Desse volume de ajudas, desde 2007 até 2016, 15.131 milhões de euros tiveram impacto no défice, com as maiores parcelas a registarem-se em 2014, 2015 e 2010. No mesmo período, o Estado só teve de volta do sistema financeiro 2,2 mil milhões de euros de receita.

Esta informação consta de um relatório suplementar em que o Eurostat faz um retrato das intervenções dos Estados-membros para ajudar as instituições financeiras.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sem ajudas à banca, défice de 2016 teria sido 1,8%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião