CGTP exorta empresas a darem tolerância de ponto no dia 12 de maio

  • ECO
  • 30 Abril 2017

Se as confederações patronais apoiam a decisão do Governo, deviam fazer o mesmo e dar o dia no setor privado, defende Arménio Carlos.

A CGTP não tem “qualquer objeção” à tolerância de ponto no dia 12 de maio, decidida pelo Governo a propósito da visita do Papa Francisco a Fátima, e exorta as empresas do setor privado a fazerem o mesmo.

Em entrevista ao Diário de Notícias e TSF, Arménio Carlos deixa o reparo: “E, já agora que as confederações patronais também manifestaram o seu apoio à tolerância de ponto, também é bom que digam às suas empresas para darem tolerância de ponto aos trabalhadores que trabalham no setor privado“.

Questionado sobre uma eventual discriminação entre trabalhadores do público e do privado — uma vez que a tolerância de ponto abrange os funcionários públicos e pode conduzir ao encerramento de escolas e outros serviços — o líder da Inter defende que isso resolve-se pela “via da coerência”. “Se as confederações patronais aplaudem a decisão do governo relativamente à tolerância de ponto para os trabalhadores da administração pública, que são os seus funcionários, as confederações patronais também podem apelar às suas empresas, filiadas e outras, que deem tolerância de ponto”.

Decretar feriado também seria uma hipótese mas Arménio Carlos entende que “dificilmente isso se concretizará”.

Na entrevista, o secretário-geral da CGTP também faz questão de indicar que chegou o momento de o Governo avançar, virando à esquerda. E deixa o aviso: quanto a uma eventual greve geral, “todas as hipóteses estão em cima da mesa”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGTP exorta empresas a darem tolerância de ponto no dia 12 de maio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião