Portugal prepara-se para emitir dívida em moeda chinesa

  • Lusa
  • 6 Maio 2017

Mário Centeno avançou este sábado que o país está a estudar a possibilidade de emitir títulos de dívida pública em moeda chinesa. A avançar, Portugal será o primeiro país da zona euro a fazê-lo.

Portugal poderá tornar-se o primeiro país da zona do euro a emitir títulos de dívida pública em moeda chinesa, o renminbi, avançou à agência Lusa, em Pequim, o ministro das Finanças português, Mário Centeno. “É uma forma de alargar a nossa base de investidores e de atrair financiamento”, disse Centeno, no final de uma visita de três dias à China.

Além de reunir com o Banco do Povo Chinês (banco central), o ministro encontrou-se também com os responsáveis pelos principais bancos chineses: ICBC, Bank of China, Agriculture Bank of China e Postal Savings Bank of China. “Ainda há algum trabalho a fazer, mas [as conversações] correram bem”, disse.

Portugal pode assim tornar-se o primeiro país da zona do euro a emitir títulos denominados na moeda chinesa, o renminbi – também designando yuan -, admitiu Mário Centeno. Segunda maior economia do mundo, a seguir aos Estados Unidos da América, a China é também detentora das maiores reservas cambiais do planeta, no valor de 3,1 biliões de dólares.

A captação de capital na China estará, porém, dependente da evolução do ‘rating’ soberano português, atribuído pelas três maiores agências de notação financeira – Moody’s, Standard and Poor’s e Fitch -, que continuam a colocar o ‘rating’ do país como ‘lixo’. Portugal precisa assim de garantir pelo menos uma avaliação BBB (baixo) a longo prazo, o primeiro nível de investimento.

Para que isso aconteça, é importante que o país saia primeiro do Procedimento por Défice Excessivo, o que deverá acontecer ainda “antes do verão”, segundo afirmou esta semana o primeiro-ministro, António Costa. A acompanhar Mário Centeno estiveram a presidente da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, Cristina Casalinho, e o secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Costa Novo.

A China tornou-se, nos últimos anos, um dos principais investidores em Portugal, comprando participações importantes nas áreas da energia, dos seguros, da saúde e da banca. A internacionalização do renminbi é uma prioridade para Pequim, que quer contrariar a hegemonia do dólar norte-americano e negociar na sua moeda recursos como petróleo e ferro, dos quais é o maior mercado mundial, e facilitar os investimentos chineses além-fronteiras.

Em outubro passado, o renminbi aderiu formalmente ao cabaz de moedas do Fundo Monetário Internacional (FMI), um instrumento criado pela instituição com a finalidade de permitir liquidez aos países membros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal prepara-se para emitir dívida em moeda chinesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião