Tribunal de Contas dá aval a empréstimo do BEI a Lisboa

  • Lusa
  • 9 Maio 2017

O Tribunal de Contas deu luz verde ao empréstimo contraído pela autarquia de Lisboa junto do BEI. Aval surgiu após Câmara ter reduzido a primeira tranche de 100 milhões para 51 milhões.

A Câmara de Lisboa informou hoje que o Tribunal de Contas deu aval ao empréstimo contraído ao Banco Europeu de Investimento (BEI), após a autarquia ter baixado a primeira tranche de 100 para 51 milhões de euros.

“Recebemos, no final de abril, aval do Tribunal de Contas ao empréstimo de 51 milhões de euros” ao BEI, disse o vereador das Finanças da autarquia, João Paulo Saraiva, que falava aos jornalistas à margem da reunião da Assembleia Municipal de Lisboa.

Em meados de março passado, este órgão deliberativo aprovou uma alteração ao empréstimo a médio e longo prazo ao BEI, que surgiu na sequência de dúvidas por parte do Tribunal de Contas (TdC).

A contratação de um empréstimo de 100 milhões de euros junto do BEI, o primeiro de um total de 250 milhões de euros, foi aprovada pela Assembleia Municipal de Lisboa em meados de novembro do ano passado, visando investimentos na reabilitação urbana, drenagem e habitação social.

Dias depois, foi solicitado um visto prévio ao TdC.

Este organismo levantou dúvidas quanto ao financiamento e, por essa razão, a maioria PS na Câmara de Lisboa resolveu adaptar o valor do empréstimo à sua capacidade de endividamento, que a 01 de janeiro de 2017 rondava os 57 milhões de euros.

Em causa está o Plano de Investimentos da Cidade de Lisboa 2016-2020 (LX XXI), apresentado em outubro passado e orçado em cerca de 520 milhões de euros, dos quais 250 milhões de euros financiados pelo BEI.

João Paulo Saraiva explicou que já “estão comprometidos cerca de 170 milhões de euros” no âmbito deste plano, nas suas diversas áreas.

“Começámos por alocar mais capitais próprios no arranque do processo”, indicou o vereador, notando que a autarquia tinha “condições financeiras” para tal.

Com o aval dado pelo TdC, “começámos agora a executar os 51 milhões”.

“Estimo que consigamos rapidamente, até ao final do ano, chegar aos 200 milhões de euros, se não os ultrapassarmos”, apontou o vereador, indicando que a componente do plano dedicada ao Plano Geral de Drenagem terá “maior expressão no próximo ano”.

Só em 2018 será adjudicado o concurso para a construção de dois túneis entre Santa Apolónia e Monsanto e entre Chelas e o Beato, que visam reduzir as inundações, no âmbito desse plano. Essa proposta irá a reunião camarária em junho.

João Paulo Saraiva aprovou a ocasião para vincar que o TdC nunca “negou nada” à autarquia.

“Houve perguntas, mas este é um processo complexo. Nunca houve montante igual vindo de um município”, referiu.

De acordo com o responsável, a “consequência prática” das alterações introduzidas ao empréstimo obriga o município a fazer mais ‘tranches’ do que as inicialmente previstas, até perfazer um total de 250 milhões de euros.

“Já estamos a preparar aquele que vai vigorar no próximo ano. Vamos ter de realizar um processo deste género no início do ano de 2018”, adiantou João Paulo Saraiva.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tribunal de Contas dá aval a empréstimo do BEI a Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião