Vêm aí previsões pessimistas de Bruxelas? Carta sugere que sim

  • Margarida Peixoto
  • 9 Maio 2017

As projeções da Comissão Europeia para a evolução do saldo estrutural português deverão ser mais pessimistas do que as do Governo.

Esta quinta-feira, a Comissão Europeia prepara-se para apresentar as Previsões Económicas de primavera – um relatório fundamental para definir as recomendações de política económica e orçamental que os comissários aprovarão para cada país. E os primeiros sinais, no que diz respeito aos resultados do esforço de consolidação orçamental, apontam para projeções mais pessimistas do que as que o Governo português inscreveu no seu Programa de Estabilidade.

Na semana passada, Mário Centeno, ministro das Finanças, juntou-se aos homólogos de Espanha, Itália e França e os quatro enviaram uma carta para o vice-presidente da Comissão Europeia, Valdis Dombrovskis, e para o comissário para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici.

Na missiva, noticiada pela Bloomberg e depois avançada na íntegra pelo Dinheiro Vivo, os líderes criticam a metodologia utilizada pela Comissão Europeia para calcular o PIB potencial – um indicador não observável e que procura estimar qual será o potencial de crescimento subjacente de uma economia, excluindo os impactos do ciclo económico concreto que esta atravessa.

Os governantes defendem que o método de cálculo que está a ser usado por Bruxelas prejudica particularmente os países que atravessaram uma crise económico-financeira profunda e prolongada, não refletindo adequadamente os ganhos potenciais que advêm da implementação de reformas estruturais.

No final, pedem claramente aos comissários que tenham estes argumentos teóricos em conta nos planos dos próximos meses, que vão servir de base às recomendações de política económica e orçamental específicas para os diferentes países. O valor do PIB potencial é particularmente determinante para definir as políticas futuras: é com base nele que se calcula o saldo orçamental estrutural, um indicador chave para orientar a dimensão do esforço de consolidação (em tempos, sinónimo de austeridade em Portugal) que cada país precisa de fazer.

E é aqui que aquilo que parece uma mera questão teórica, digna de académicos, se transforma num debate com implicações no dia-a-dia dos cidadãos. O ECO sabe que o Governo seguiu as regras de Bruxelas para desenhar o seu Programa de Estabilidade, mas apenas no que diz respeito às do Procedimento por Défices Excessivos.

Traduzindo, quando o documento português diz “refira-se que o cálculo do produto potencial segue a metodologia da Comissão Europeia” estará, na verdade, apenas a referir-se às regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento que ajudam a identificar o que são medidas extraordinárias com impacto no défice, e a excluí-las das contas.

Mas quanto ao modo de estimação do próprio produto potencial, uma fonte próxima do Executivo garantiu ao ECO que as Finanças estão a usar a sua metodologia. Ou seja, não é uma divergência na aplicação de regras comunitárias, mas antes uma diferença de métodos econométricos.

“Não há nenhum mecanismo que assegure uma sincronização com a estimativas da Comissão”, confirma outra fonte próxima do Executivo, ao ECO. No final das contas, a evolução que o Governo português estima para o saldo estrutural nos próximos anos sai mais otimista do que a de Bruxelas, porque os vários PIB potenciais que o Executivo está a assumir para Portugal são mais elevados.

Aliás, quando avaliou o esboço de Orçamento do Estado para 2017, a Comissão Europeia calculou que com as medidas identificadas o saldo estrutural ficaria inalterado face a 2016 e pediu ao Governo português que intensificasse o esforço de consolidação, de forma a cumprir a correção de 0,6 pontos percentuais. No Programa de Estabilidade, o Governo português aponta para uma correção de apenas 0,3 pontos percentuais este ano.

É por isto que o Governo estará a antecipar que os números de Bruxelas serão menos favoráveis do que os seus, sabe o ECO. É esta a expectativa também de um perito em contas públicas e de uma fonte próxima do Governo, que preferiram não ser identificadas, mas que garantiram que a leitura que faziam da carta era esta. E não é que com a carta os quatro ministros das Finanças acreditem poder mudar, na prática, alguma coisa nas Previsões de primavera que serão apresentadas já na quinta-feira.

Nas nossas avaliações a Comissão Europeia aplica as regras e a metodologia que foram definidas de comum acordo por todos os Estados-membros para assegurar que todos são tratados da mesma forma.

Annika Breidthardt

Porta-voz da Comissão Europeia para os Assuntos Económicos e Financeiros

Aliás, a reação de Bruxelas à missiva foi perentória: “Nas nossas avaliações a CE aplica as regras e metodologia que foram acordadas de comum acordo por todos os Estados-membros para assegurar que todos são tratados da mesma forma”, disse a porta-voz Annika Breidthardt, repetindo a garantia que já tinha dado ao ECO de que a Comissão vai responder.

Porém, este documento, como explicou outra fonte próxima do Governo ao ECO, serve para manter elevada a pressão sobre a Comissão Europeia para mudar a metodologia. Este é um diálogo que tem vindo a ser feito desde que o Executivo socialista assumiu funções e apresentou o seu primeiro esboço de Orçamento do Estado (na altura para 2016) à Comissão Europeia.

Conforme explicou outra fonte ao ECO, o debate fica sempre mais aceso no âmbito dos Orçamentos do Estado do que no contexto dos Programas de Estabilidade. Como o Programa de Estabilidade projeta números para um horizonte temporal, os dados utilizados vão incorporando as melhorias económicas dos anos seguintes, num efeito de arrastamento. Já no âmbito do Orçamento do Estado, como se trata de projetar o PIB potencial para um único exercício, o PIB potencial é calculado com base em exercícios que ainda estão muito afetados pela crise económica e financeira, resultando num enviesamento conservador dos números.

Apesar desta divergência nos números do saldo estrutural dos próximos anos, a saída de Portugal do Procedimento por Défices Excessivos está bem encaminhada. Depois de Moscovici ter dito que a Comissão deverá tomar a decisão em breve, e de o Governo vir reafirmando essa expectativa, este domingo o comentador Marques Mendes disse ter informação de que a saída será anunciada pelo Executivo no final deste mês.

Contactada, a Comissão Europeia remeteu para os comentários da porta-voz Annika Breidthardt e declinou fazer mais comentários sobre os motivos que terão levado os países a enviar a missiva. O Ministério das Finanças também não fez comentários.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vêm aí previsões pessimistas de Bruxelas? Carta sugere que sim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião