Constâncio diz que BCE só decide mudança de política no outono

Antes de pensar numa suavização dos estímulos à economia europeia, o BCE quer ver uma evolução sustentável dos salários e da inflação.

O Banco Central Europeu (BCE) está comprometido com a política monetária que tem sido seguida até agora e uma possível mudança só será decidida no outono. A ideia é defendida por Vítor Constâncio, vice-presidente da instituição, que rejeita, assim, uma suavização dos estímulos que têm sido implementados na Zona Euro.

“Uma política monetária acomodatícia por mais tempo é menos arriscado do que uma retirada prematura dos estímulos. Estamos expressamente comprometidos com a nossa política até dezembro, o que significa que, automaticamente, no outono, teremos de decidir o que vamos fazer a seguir“, disse Constâncio, citado pela Bloomberg.

Constâncio reconhece que os riscos para o crescimento económico têm diminuído, mas sublinha que, antes de mudar de política monetária, é preciso estar seguro da “sustentabilidade do caminho da inflação”, sendo que essa sustentabilidade depende de fatores domésticos. “Em particular, precisamos que os salários cresçam a um ritmo mais acelerado“, detalhou.

A próxima reunião de política monetária do BCE terá lugar a 8 de junho e o mercado não antecipa quaisquer alterações nesse dia. É na reunião seguinte, em setembro, que poderão ser anunciadas novas decisões. Mas a mensagem passada pelos responsáveis do BCE tem sido sempre a mesma: apesar do crescimento económico que se tem verificado, a evolução da inflação ainda não convence e, por isso, é cedo para retirar os estímulos à economia.

Atualmente, o programa de estímulos do BCE implica a compra de 60 mil milhões de dívida por mês, num plano que está previsto até ao final deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio diz que BCE só decide mudança de política no outono

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião