BCE: mudanças na política monetária serão “graduais”

  • Juliana Nogueira Santos
  • 4 Maio 2017

O BCE, pela voz de Peter Praet, considera que, a acontecerem, as mudanças na política monetária terão de ser graduais, sendo que a economia ainda não está estável o suficiente.

Peter Praet, membro da Comissão Executiva do Banco Central Europeu (BCE), garantiu esta quinta-feira que, a acontecerem, as mudanças na política monetária devem ser “graduais”, visto que a economia europeia ainda não mostra a estabilidade necessária para uma retirada brusca dos estímulos.

“Após um período prolongado de políticas monetárias excecionais, qualquer mudança nas nossas políticas deve ser gradual”, defendeu Praet, num discurso proferido em Bruxelas. Para o BCE, a melhoria dos indicadores económicos ainda não é suficiente para uma mudança drástica nas políticas monetárias seguidas até então, pelo que haverá mais fatores a ter em conta, nomeadamente o crescimento da economia e a aceleração da inflação.

"Após um período prolongado de políticas monetárias excecionais, qualquer mudança nas nossas políticas deve ser gradual.”

Peter Praet

Membro da Comissão Executiva do BCE

Praet vem, com estas declarações, confirmar a posição tomada por Mario Draghi após a reunião de política monetária do BCE. Depois de ter deixado a taxa de juro diretora inalterada e de ter garantido que, se for necessário, o programa de estímulos poderá aumentar, o presidente do BCE alertou que “ainda temos de observar uma tendência convincente de recuperação da inflação”.

O programa de compra líquida de ativos ao ritmo mensal de 60 mil milhões de euros vai continuar até ao fim de dezembro deste ano, podendo então ser prolongado, caso necessário. A taxa de juro diretora mantém-se nos 0%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE: mudanças na política monetária serão “graduais”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião