Juízes admitem avançar para greve

  • ECO
  • 12 Maio 2017

A prometida revisão do estatuto dos magistrados judiciais, cuja proposta já foi submetida ao Governo, ainda não viu a luz do dia. Agora, os juízes admitem avançar para a greve como forma de protesto.

Os juízes poderão, depois dos médicos, ser os próximos a fazer greve. A Associação Sindical de Juízes Portugueses não descarta essa possibilidade, apesar de os magistrados serem um órgão de soberania, como medida de protesto pela falta de revisão do estatuto dos magistrados judiciais, avançou o Público.

É uma promessa feita aos juízes que se arrasta há vários anos. Segundo o jornal, Paula Teixeira da Cruz, antiga ministra da Justiça, chegou a nomear um grupo de trabalho para o efeito, mas não deixou a revisão pronta. A atual detentora da pasta, Francisca Van Dunem, criou um novo grupo de trabalho liderado por Noronha Nascimento, ex-presidente do Supremo, que já terá feito uma proposta de revisão de acordo com as reivindicações dos magistrados. Mas não se sabe o que inclui, nem se o Governo a vai ter em conta.

Esse projeto ainda está em segredo e a falta de informação, bem como a aparente inércia, estão a provocar descontentamento junto da classe. “Não queremos ir para a greve, mas não descartamos essa possibilidade”, assumiu Manuela Paupério, presidente da associação sindical, em declarações ao Público. Os magistrados reivindicam, sobretudo, um aumento ao suplemento salarial de 620 euros mensais como compensação pela exclusividade obrigatória, bem como outras medidas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Juízes admitem avançar para greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião