Trabalhadores de segurança de aeroportos em greve

  • Lusa
  • 13 Maio 2017

Os trabalhadores de segurança dos aeroportos iniciam este sábado uma greve que se prolonga por 5 dias. Paralisação coincide com controlo das fronteiras no âmbito da visita do Papa Francisco.

Os trabalhadores da segurança dos aeroportos começam hoje uma greve de cinco dias exigindo melhores condições laborais, um protesto que coincide nos primeiros dois dias com o controlo de fronteiras devido à visita do papa Francisco.

A paralisação dos trabalhadores das empresas de segurança privada Prosegur e Securitas, convocada pelo Sitava, prolonga-se até quarta-feira e vai abranger todos os aeroportos nacionais, com o objetivo de exigir melhores condições de trabalho, nomeadamente quanto aos horários de trabalho e salários.

A ANA – Aeroportos de Portugal admite que a greve de cinco dias das empresas de segurança pode causar constrangimentos, recomendando aos passageiros que despachem a bagagem e que se desloquem para o aeroporto pelo menos duas horas antes dos voos.

Em comunicado, a ANA – Aeroportos de Portugal afirma que “é previsível que o processamento de passageiros nos aeroportos nacionais sofra constrangimentos” durante esse período e recomenda aos passageiros que viagem entre 13 e 17 de maio que “procurem ou aguardem as instruções transmitidas pelas suas companhias aéreas”.

A ANA sugere também que “os passageiros procedam ao despacho de bagagem no ‘check-in’, isto é, no porão, para reduzir o número de peças a rastrear no controlo de bagagem de mão” e que “cheguem ao aeroporto com, pelo menos, duas horas de antecedência em relação à hora do seu voo”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores de segurança de aeroportos em greve

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião