Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 15 Maio 2017

O ataque informático que fechou a semana passada abre esta segunda-feira os cabeçalhos internacionais. A política no continente americano está em ebulição e o petróleo volta a emergir na agenda.

O vírus informático WannaCry já atingiu 150 países mas o ataque ainda não tem fim à vista, com milhões de sistemas ainda expostos. As acusações políticas chovem de norte a sul no continente americano, com os dedos a serem apontados a Trump após o despedimento do diretor do FBI e a Lula, que não está excluído das eleições. Mais perto, a italiana Atlantia quer uma participação na espanhola Abertis, com consequências diretas para a La Caixa, a principal acionista da segunda.

Financial Times

Alerta global para preparar para novos ciberataques

Os serviços de inteligência britânicos alertam para a vulnerabilidade de mais de 1,3 milhões de sistemas ao vírus WannaCry. Este vírus informático atingiu cerca de 200.000 computadores em 150 países. O ataque abrangeu grandes empresas, como em Portugal foi o caso da PT, mas também hospitais e transportadoras no Reino Unido. A escala do ataque pede cooperação internacional para encontrar os culpados, que são considerados um grupo criminoso. Ciaran Martin, o diretor do centro de cibersegurança britânico afirma que já existem pistas sobre a sua identidade mas que, para já, não pode tecer comentários sobre as mesmas. Leia a notícia completa no Financial Times. [Acesso pago / Conteúdo em inglês]

Bloomberg

Arábia Saudita e Rússia a favor da extensão do acordo de cortes no crude até final de Março de 2018

Os preços do petróleo voltaram a subir na sequência deste último anúncio. Os ministros da energia dos dois maiores produtores de crude, a Rússia e a Arábia Saudita, reforçaram publicamente as intenções de prolongar os cortes nas exportações de petróleo até março de 2018 numa conferência de imprensa em Pequim. Estas declarações são feitas pouco antes do encontro dos países da OPEP que terá lugar em Viena de Áustria, no final deste mês. Leia a notícia na íntegra no site da Bloomberg. [Acesso livre / Conteúdo em inglês]

The Guardian

James Clapper: as instituições democráticas estão “sob ataque” de Trump

O antigo diretor dos serviços de inteligência nacional americanos, James Clapper, não aplaude as atitudes da nova administração. Pelo contrário, critica abertamente as opções do presidente americano, que acredita estarem a fragilizar as instituições e a beneficiarem o gigante a cargo de Putin. Clapper afirma que o despedimento de James Comey, ex-diretor do FBI, é “mais uma vitória” para a Rússia. Leia a notícia completa no The Guardian. [Acesso livre / Conteúdo em inglês]

Valor Económico

Doria quer Lula condenado, mas disputando as eleições

Do mesmo lado do oceano, a política brasileira sofre também de turbulência com o caso Lava-Jato. Foi a vez do prefeito de São Paulo, João Doria, defender a possibilidade de Lula da Silva se candidatar nas próximas eleições — tecendo, contudo, duras críticas ao antigo presidente. “Lula, a meu ver, terá a sua condenação” uma vez que “provavelmente aceitou, orientou e determinou” crimes, acredita Doria, reforçando que, contudo, a “grande derrota” deveria acontecer nas eleições. A notícia completa está disponível no site do Valor Económico. [Acesso livre / Conteúdo em português]

Expansión

Atlantia oferece 16.000 milhões pela Abertis

O grupo italiano Atlantia lançou uma OPA sobre a espanhola Abertis. A oferta de 16 mil milhões poderá ser cobrada toda em dinheiro ou numa combinação de dinheiro e ações da Atlantia, tendo esta última opção um teto de 25%. Independentemente da escolha da Abertis, caso a operação se concretize, a empresa valorizará cerca de 20% em relação à cotação média dos últimos seis meses. A La Caixa, como principal acionista da Abertis — detentora de 22% da empresa de infraestruturas — poderá assim converter-se num dos grandes acionistas da Atlantia. Pode consultar a notícia completa no site do Expansión. [Acesso livre / Conteúdo em espanhol]

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião