Financiamento da Segurança Social: Vieira da Silva contra “aumento da taxação sobre a economia”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 17 Maio 2017

Vieira da Silva admite alterações nas formas de financiamento da Segurança Social mas entende que estas não aconselham "um aumento da taxação global".

O ministro do Trabalho defendeu hoje que a diversificação de fontes de financiamento da Segurança Social não deve significar “um aumento da taxação sobre a economia”.

Perante os deputados da comissão parlamentar do Trabalho, Vieira da Silva voltou a admitir a “taxação dos lucros” no âmbito da diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, mas acrescentou que “isso não deve significar um aumento da taxação global sobre a economia”. “Admito que haja alterações das formas de financiamento que, a meu ver, neste momento não aconselham um aumento da taxação global”, acrescentou o governante, adiantando que foi o Governo PSD/CDS que defendeu um aumento da TSU enquanto cortava pensões.

Os economistas que elaboraram o cenário macroeconómico que serviu de base ao programa eleitoral do PS já defendiam a consignação de quatro pontos percentuais da receita de IRC à Segurança Social.

Em resposta ao CDS, Vieira da Silva começou por dizer que não tem um “pensamento oscilante” no que diz respeito à sustentabilidade da Segurança Social e garantiu que não defende uma nova reforma do sistema. “Percebem a diferença entre uma nova reforma da Segurança Social e gerir de uma forma reformista a Segurança Social?”, perguntou depois.

Para Vieira da Silva, “é possível haver mudanças na Segurança Social sem fazer uma grande reforma”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Financiamento da Segurança Social: Vieira da Silva contra “aumento da taxação sobre a economia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião