Financiamento da Segurança Social: Vieira da Silva contra “aumento da taxação sobre a economia”

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 17 Maio 2017

Vieira da Silva admite alterações nas formas de financiamento da Segurança Social mas entende que estas não aconselham "um aumento da taxação global".

O ministro do Trabalho defendeu hoje que a diversificação de fontes de financiamento da Segurança Social não deve significar “um aumento da taxação sobre a economia”.

Perante os deputados da comissão parlamentar do Trabalho, Vieira da Silva voltou a admitir a “taxação dos lucros” no âmbito da diversificação das fontes de financiamento da Segurança Social, mas acrescentou que “isso não deve significar um aumento da taxação global sobre a economia”. “Admito que haja alterações das formas de financiamento que, a meu ver, neste momento não aconselham um aumento da taxação global”, acrescentou o governante, adiantando que foi o Governo PSD/CDS que defendeu um aumento da TSU enquanto cortava pensões.

Os economistas que elaboraram o cenário macroeconómico que serviu de base ao programa eleitoral do PS já defendiam a consignação de quatro pontos percentuais da receita de IRC à Segurança Social.

Em resposta ao CDS, Vieira da Silva começou por dizer que não tem um “pensamento oscilante” no que diz respeito à sustentabilidade da Segurança Social e garantiu que não defende uma nova reforma do sistema. “Percebem a diferença entre uma nova reforma da Segurança Social e gerir de uma forma reformista a Segurança Social?”, perguntou depois.

Para Vieira da Silva, “é possível haver mudanças na Segurança Social sem fazer uma grande reforma”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Financiamento da Segurança Social: Vieira da Silva contra “aumento da taxação sobre a economia”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião