Facebook quadruplica de valor após cinco anos em bolsa

O Facebook estreou-se em bolsa há cinco anos. Após um arranque turbulento, o rumo das ações tem sido sempre a subida. Desde o arranque do percurso bolsista, já valorizaram 281%.

O Facebook está de parabéns. A empresa tecnológica celebra hoje cinco anos que se estreou em bolsa. E os investidores têm razões para fazer “like” na rede social. Desde a estreia em bolsa, as ações do Facebook quase quadruplicaram de valor, brindando os investidores que se aventuraram a participar no IPO (oferta pública inicial, na sigla inglesa), e que ainda lá se mantêm, com um ganho acumulado de 281%.

Este valor foi quanto as ações valorizaram até esta quarta-feira, face aos 38 dólares do preço unitário definido para o IPO de 18 de maio de 2012. As ações da empresa liderada por Mark Zuckerberg encerraram a última sessão nos 144,85 dólares, em Wall Street.

Ações do Facebook nos últimos cinco anos

Fonte: Bloomberg

Apesar da forte valorização acumulada até hoje, e da grande expectativa gerada em torno do IPO, as ações do Facebook tropeçaram na estreia. Após um disparo de mais de 11% no arranque da negociação, os títulos da tecnológica acabaram por fechar a primeira sessão quase como começaram: a valer 38,232 dólares. E os dias que se seguiram não foram melhores. O título foi perdendo valor até atingir o mínimo de sempre nos 18,058 dólares no final de agosto de 2012. Na altura, muitos analistas consideraram que a empresa tecnológica estaria sobrevalorizada, e que não valeria o preço a que entrou no mercado.

O mercado acabou por não lhes dar razão. Desde o mínimo registado a 31 de agosto de 2012, que o rumo das ações tem sido sempre a subida. Um desempenho que tem ido a reboque do crescimento da gigante tecnológica. Desde o ano de estreia em bolsa, a empresa viu os seus lucros dispararem. Passaram de 32 milhões de dólares, no ano de estreia, para um total de dez mil milhões de dólares em 2016. A rede social foi conquistando cada vez mais adeptos, com o número de utilizadores a mais do que duplicar ao longo dos últimos cinco anos. O Facebook passou de 901 milhões de utilizadores ativos no final do primeiro trimestre de 2012, para 1.936 milhões no mesmo período deste ano.

 

Em termos de capitalização bolsista, os números também surpreendem. Os 425 mil milhões de dólares de valor de mercado da tecnológica, correspondem a cerca de 11% do valor total das empresas norte-americanas de software cotadas em bolsa. Já os quase dois mil milhões de utilizadores ativos ultrapassam a população de qualquer país do mundo.

 

Entretanto, a festa de comemoração dos cinco anos em bolsa do Facebook foi estragada. A empresa liderada por Mark Zuckerberg acaba de ser multada em 110 milhões de euros pela Comissão Europeia. Em causa está informação “incorreta ou enganosa” facultada pela empresa que gere a rede social, a propósito da compra do Whatsapp pelo Facebook, em 2014, por 13.800 milhões de euros. A multa parece ter passado ao lado da tecnológica, pelo menos no que respeita ao desempenho bolsista. As ações da tecnológica seguem a valorizar 0,44%, para os 145,49 dólares, em Wall Street.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Facebook quadruplica de valor após cinco anos em bolsa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião