Receitas do Facebook disparam 50% para mais de oito mil milhões

Facebook vai travar na frequência com que mostra publicidade aos utilizadores até final do ano, numa altura em que Zuckerberg aposta em novos negócios para reduzir dependência da rede social.

As receitas da rede social Facebook dispararam 49% para 8,03 mil milhões de dólares no último trimestre, acima do esperado pelos analistas, colocando os lucros acima dos três mil milhões de dólares, anunciou esta quarta-feira a tecnológica liderada por Mark Zuckerberg.

A acompanhar a melhoria dos resultados da maior rede social do mundo esteve o aumento significativo do número de utilizadores ativos para um total de 1,94 mil milhões mensais, o que lhe confere uma audiência online massiva bastante atraente para as marcas que têm apostado cada vez mais na publicidade digital como forma de alcançar os seus públicos-alvo.

O Facebook anunciou que vai deixar de aumentar a frequência com que a publicidade aparece nos feeds de notícias dos utilizadores no final deste ano, o que poderá ser um travão no crescimento das receitas. E isto numa altura em que a empresa tenta melhorar a rentabilidade de outras suas aplicações como o Instagram, Messenger e WhatsApp.

“Foi um trimestre formidável, mas o que virá a seguir?” questionava-se Rob Sanderson, analista da MKM Partners, citado pela Bloomberg. “Estamos numa de esperar para ver o impacto desta decisão no negócio. Não temos ideia de que forma a publicidade tem impulsionado o crescimento”, referiu.

O Facebook tem direcionado grande parte dos seus recursos para novos negócios como os óculos de realidade virtual ou o projeto de ligar todo o mundo à internet, numa tentativa de diminuir a dependência das receitas da sua rede social.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas do Facebook disparam 50% para mais de oito mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião