Facebook quer mais 3.000 pessoas à procura de vídeos de crimes

O Facebook quer detetar e remover vídeos que mostrem homicídios ou suicídios de forma mais rápida. Por isso, tem um plano para expandir a equipa de revisão em 150%.

Mark Zuckerberg tem enfrentado críticas que o acusam de não fazer o suficiente para combater a proliferação de vídeos de crimes no Facebook.Y Combinator

O Facebook pretende contratar 3.000 pessoas para mitigar o problema dos vídeos e das transmissões em direto que mostrem crimes e, mais concretamente, homicídios ou suicídios. A informação foi avançada pelo líder da rede social, Mark Zuckerberg, num comunicado citado pela Associated Press.

Segundo a agência, o pessoal ficará responsável por detetar, rever e agir sobre estes vídeos, para que sejam eliminados o mais depressa possível. A rede social tem estado debaixo de fogo por, alegadamente, ser incapaz de detetar estes conteúdos com a devida rapidez, um fenómeno que se tem vindo a proliferar no Facebook.

Os três milhares de pessoas vão juntar-se à já vasta equipa que a empresa tem a trabalhar na revisão de vídeos. São atualmente 4.500 pessoas, que passam assim a ser 7.500. Todos trabalham na revisão de conteúdos que não respeitem os termos e condições do Facebook.

Recorde-se que, recentemente, foi notícia um homem de Cleveland que cometeu um homicídio e filmou e publicou o vídeo no Facebook. Outro caso polémico aconteceu na Tailândia, com uma mãe que assistiu à filha bebé a ser assassinada pelo namorado, que transmitiu tudo no Facebook.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Facebook quer mais 3.000 pessoas à procura de vídeos de crimes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião