Bankinter aposta no crédito ao consumo. Tem 500 milhões

O Bankinter lançou a sua unidade de crédito ao consumo, em Portugal, prevendo disponibilizar 500 milhões de euros em empréstimos com essa finalidade o longo dos próximos cinco anos.

Um total de 500 milhões de euros, é quanto o Bankinter tem em crédito ao consumo para disponibilizar ao longo dos próximos cinco anos. Este valor estará disponível através da Bankinter Consumer Finance, unidade que agora inicia atividade em Portugal, para gerir a atividade de crédito ao consumo — cartões de crédito e crédito pessoal — do banco espanhol junto de clientes nacionais.

Cerca de um ano após a sua entrada no mercado português, num arranque marcado pela forte aposta no crédito à habitação, chega assim a vez de o banco espanhol focar as suas atenções também na concessão de crédito a consumo. “É nosso objetivo trazer para Portugal o dinamismo que o Bankinter Consumer Finance tem apresentado em Espanha e as soluções mais adequadas para os Clientes portugueses”, afirma António Seixas, responsável pelo Bankinter Consumer Finance em Portugal, em comunicado. Entre os objetivos traçados pela unidade de crédito ao consumo do Bankinter está o alagamento, a partir do segundo trimestre deste ano, da disponibilização deste tipo de crédito também a clientes de outros bancos.

"É nosso objetivo trazer para Portugal o dinamismo que o Bankinter Consumer Finance tem apresentado em Espanha e as soluções mais adequadas para os Clientes portugueses.”

António Seixas

Responsável pelo Bankinter Consumer Finance em Portugal

O valor total de concessão prevista pelo Bankinter ao longo dos próximos cinco anos — 500 milhões – representa o equivalente ao total do crédito ao consumo que é disponibilizado, por mês, pelo sistema financeiro português, em termos médios. Esta aposta do Bankinter acontece numa altura que a concessão de crédito ao consumo regista níveis elevados de crescimento em Portugal.

De acordo com dados disponibilizados pelo Banco de Portugal, só nos primeiros três meses deste ano, os portugueses foram buscar aos bancos mais de 1,5 mil milhões de euros de crédito com essa finalidade. Trata-se do valor mais elevado, em termos homólogos, dos últimos quatro anos. De forma simplista, estes números significam que, por minuto, os portugueses pediram 12 mil euros em crédito ao consumo ao longo do primeiro trimestre do ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bankinter aposta no crédito ao consumo. Tem 500 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião