Já há propostas para o lítio: um novo cluster?

  • ECO
  • 23 Maio 2017

São já 30 os pedidos para a exploração das reservas de lítio em Portugal. Os recursos têm de ser avaliados mas a hipótese da criação de um cluster está na mesa.

A extração de lítio em Portugal não é a mais barata, mas ainda assim, Portugal coloca-se entre os dez maiores produtores mundiais. Há nove regiões entre o Norte e Centro do país que estão a despertar o interesse. Um grupo de trabalho definido pelo Governo encontra-se a estudar as hipóteses, mas já adianta algumas propostas — entre as quais a criação de um cluster.

Chile, Austrália, Argentina… até China. São estes os líderes na produção de lítio dos quais Portugal se aproxima. Para já, o lítio extraído em Portugal é utilizado apenas como fundente na indústria da cerâmica mas como o grupo de trabalho adianta à Lusa, a curto prazo espera-se “um exponencial aumento de automóveis elétricos, o que faz prever uma elevada procura de lítio a nível mundial”. Nos últimos dois anos, os preços de lítio no mercado têm vindo a subir.

Neste sentido, a proposta do grupo de trabalho vai além da simples extração do mineral. Quer-se trabalhar ao nível de toda a cadeia de valor: a sugestão é a de implementar uma unidade experimental minero-metalúrgica, onde sejam testadas tecnologias e se evolua em termos de conhecimento. Entidades como o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), universidades e empresas serão essenciais para catalisar o projeto. Desta forma poder-se-á evoluir para “uma fase de investimento industrial” em sintonia com os desenvolvimentos na área da mobilidade elétrica. A criação de um cluster, portanto.

O Governo já recebeu 30 requerimentos de exploração do lítio como substância mineral principal, mas se contarmos com pedidos para prospeção e pesquisa, o número de pedidos ascende 46 pedidos. As regiões ricas em lítio vão desde Caminha, Alto Minho, Idanha-a-Nova à Beira-Baixa.

De acordo com o Público (acesso condicionado), o desafio agora é encontrar um processo rentável de transformação do lítio que permita a pureza de 99,5% necessária para a construção de baterias de veículos elétricos. A produção de uma tonelada de carbonato de lítio a partir de pegmatitos, o tipo de exploração que se faz em Portugal, custa 4,45 mil euros, consideravelmente mais cara do que a alternativa. Uma tonelada de carbonato de lítio obtida a partir de salmoura custa apenas 1,78 mil euros a ser produzida. Co-financiamento é a solução apresentada para viabilizar o projeto, dada a falta de programas.

O grupo de trabalho que foi constituído em dezembro é coordenado pela subdiretora geral da Direção-Geral de Energia e Geologia, Cristina Lourenço, e vai contar com representantes do LNEG, da EDM – Empresa de Desenvolvimento Mineiro, da Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora (ANIET) e da Associação Portuguesa dos Industriais de Mármores e Granitos (Assimagra).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Já há propostas para o lítio: um novo cluster?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião