Revista de Imprensa Internacional

  • ECO
  • 24 Maio 2017

A Bankia e a Uber querem despender milhões, mas a primeira não pode. Trump não influencia significativamente o mercado de petróleo com as suas propostas. Na Europa, a preocupação é a proteção social.

A volta ao mundo começa no Brasil, onde a Justiça permite a publicação de áudios que levam ao protesto dos jornalistas, passa pelos negócios da banca espanhola e pela Uber nos EUA e desce ao subsolo com Trump e os efeitos das suas propostas da produção de petróleo, que são baixos. Ainda na Europa, a OCDE lança o debate sobre a renda universal básica como solução para o problema do sistema de proteção social.

Valor Econômico

Supremo Tribunal Federal levanta sigilo e conversa de jornalista com irmã de Aécio é divulgada

Uma conversa entre o jornalista Reinaldo Azevedo e Andrea Neves, irmã do senador envolvido no caso Lavo-Jato, Aécio Neves, foi tornada pública num site de notícias esta terça-feira. A suspensão do sigilo dos aúdios foi decretada pelo ministro relator Lava-Jato no Supremo Tribunal Federal, Edson Facchin, a pedido da Procuradoria-Geral da República. Na conversa, Azevedo critica a revista Veja, da qual acabou por se despedir. A Associação Brasileira de Imprensa está num coro de protestos com os jornalistas brasileiros. Leia a notícia completa no Valor Econômico (Acesso gratuito / Conteúdo em português)

CNBC

Venda de reservas de crude proposta por Trump não é um problema para a OPEP: Goldman Sachs

Trump propôs vender metade das reservas de crude dos EUA. A Goldman Sachs acredita que a proposta vai ter pouco impacto no acordo de cortes à produção dos países da OPEP. As previsões da financeira baseiam-se nas dimensões do mercado, 98 milhões de barris por dia, e dos próprios cortes da OPEP, 1,7 milhões de barris por dia, muito superiores à média de vendas que os EUA concretizariam, na ordem dos 66.000 barris por dia entre 2018-2020 e apenas 25.000 este ano. Leia a notícia completa na CNBC (Acesso gratuito / conteúdo em inglês)

Expansión

Bankia necessita de permissão da UE para comprar Popular antes de janeiro

Em 2012, o Bankia, entre outras entidades espanholas, recebeu apoios à sua capitalização através do Fundo de Reestruturação Ordenada da Banca (mais conhecido por Frob). O acesso a estes fundos impunha várias condições. No caso do Bankia, ficou estabelecido que nos cinco anos seguintes (portanto, até 2017) a entidade teria de manter um balanço inferior a 252 mil milhões de euros e não estaria autorizado a fazer qualquer operação de consolidação. Deste modo, a compra do Popular está vedada até aprovação da UE. Leia a notícia completa no Expansión (Acesso gratuito / conteúdo em espanhol)

The New York Times

Uber vai devolver milhões aos condutores, a quem possivelmente deve bem mais

Esta terça a Uber admitiu ter passado o vermelho: a empresa anunciou um erro no cálculo das comissões a pagar aos seus condutores nova-iorquinos, estando em dívida na ordem dos milhões de dólares. A Uber comprometeu-se a corrigir o erro devolvendo os montantes devidos aos condutores — com juros. Leia a notícia completa no New York Times. (Acesso gratuito / conteúdo em inglês)

Cinco Días

A OCDE incita os países a testar a eficácia da renda universal básica

O Cinco Días, citando a EFE, adianta que a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico classifica o atual sistema de proteção social como “obsoleto” e sugere que se prove a eficácia do rendimento básico incondicional (RBI). Stefano Scarpetta, diretor de Emprego e Trabalho desta organização, realça que este é um “debate importante, necessário e útil”. Dá como exemplo as experiências que a Finlândia está a levar a cabo. Leia a notícia completa no Cinco Días (Acesso gratuito / Conteúdo em espanhol)

Comentários ({{ total }})

Revista de Imprensa Internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião