Constâncio: algumas revisões salariais não comprometeram a competitividade externa

O responsável do BCE destacou o crescimento económico de Portugal e a descida do défice, desvalorizando o impacto das revisões salariais na competitividade da economia portuguesa.

Tal como a Comissão Europeia, o vice-presidente do BCE, Vitor Constâncio, desvalorizou o potencial impacto negativo das revisões salariais — nomeadamente o aumento do salário mínimo e a reposição de parte dos salários da função pública — na competitividade da economia nacional. “Não impediram a descida do desemprego“, notou o responsável do BCE ao mesmo tempo que aplaudiu os resultados alcançados por Portugal, tanto em termos de crescimento como do défice.

O crescimento verificado na economia nacional segue “o forte crescimento verificado no quarto trimestre do ano passado, embora tenha acelerado no primeiro trimestre”, que foi de 2,8%, o mais elevado desde o final de 2007. “Agora vamos ver como é que se comporta, mas não há dúvida que a economia portuguesa está numa evolução muito positiva“, notou Constâncio numa aula aberta a alunos de mestrado do ISEG.

“É preciso notar que uma parte dessa aceleração do crescimento resultou da economia externa, e não apenas do dinamismo da procura interna”, disse. Isso “é importante porque revela que, por exemplo, algumas revisões salariais que aconteceram não comprometeram a competitividade externa da economia, e não impediram que o desemprego tivesse continuado a diminuir”, rematou, seguindo o que a própria Comissão Europeia reconheceu.

“São aspetos positivos para a economia portuguesa, que acompanhado do desempenho da política orçamental, que levou a Comissão agora a propor que Portugal saia do Procedimento por Défices Excessivos”, salientou. “Também é muito importante porque, nesse quadro de melhoria do desempenho orçamental, está também a concretização de um saldo positivo – o chamado saldo primário (isto é não contando com o pagamento de juros) — o que é muito importante para diminuir a dívida pública em relação ao produto nacional“.

“E essa diminuição da importância da dívida, é importante para a reação dos mercados financeiros. E portanto, países que têm, como é o caso de Portugal, uma dívida pública elevada têm que manter saldos primários positivos”, disse o responsável do BCE, entidade que no Relatório de Estabilidade Financeira veio alerta para o risco haver um “efeito de bolsa de neve” na dívida portuguesa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Constâncio: algumas revisões salariais não comprometeram a competitividade externa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião