5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

O INE confirma esta quarta-feira se Portugal registou o crescimento do século. Há inflação para Mario Draghi ver. E Livro Bege da Fed.

Dia em cheio no que toca a indicadores económicos. Em Portugal, o Instituto Nacional de Estatísticas (INE) divulga as Contas Nacionais, que vai permitir perceber o que ajudou o país a registar o maior crescimento do século. Na Zona Euro, há taxa de desemprego e inflação. Nos EUA, a Reserva Federal norte-americana abre o Livro Bege.

Portugal com o crescimento do século?

O INE publica as Contas Nacionais Trimestrais, depois de ter anunciado em meados deste mês que a economia portuguesa acelerou 2,8% no primeiro trimestre do ano, naquela que foi a maior aceleração deste século. Desta vez, a publicação da autoridade estatística vai permitir perceber com maior detalhe que componentes do PIB mais contribuíram para a criação de riqueza do país.

Ibersol apresenta contas

A Ibersol reporta as contas relativas ao primeiro trimestre do ano. A cotada terminou 2016 com um lucro superior a 23 milhões de euros. Para 2017, os analistas esperam uma redução do resultado líquido para 19 milhões de euros. As ações valorizam mais de 15% desde o início do ano.

Preços para Draghi ver

Dois indicadores importantes são divulgados pelo Eurostat: o desemprego na Zona Euro relativamente a abril e a estimativa rápida da inflação relativa a maio. No caso da evolução dos preços, os dados assumem particular importância naquilo que é a estratégia do BCE quanto à manutenção dos estímulos e dos juros em mínimos de sempre. A instituição liderada por Mario Draghi trabalha com vista a uma taxa de inflação perto mas abaixo dos 2%.

O que conta o livro Bege da Fed?

A Fed apresenta o Livro Bege, um relatório que reporta a situação económica dos EUA numa altura em que a entidade liderada por Janet Yellen pretende subir mais duas vezes os juros. É elaborado com base em informações recolhidas junto de economistas, analistas financeiros, académicos e homens de negócios. Cada banco central do sistema da Fed dá o seu contributo regional.

Ponto de situação no petróleo

A Agência Internacional de Energia publica o relatório mensal onde dá conta da evolução da oferta de petróleo em março. Ao mesmo tempo, o American Petroleum Institute atualiza os dados semanais acerca dos inventários de crude na última semana. São dois barómetros importantes sobre o mercado petrolífero, depois de a OPEP ter chegado a acordo na semana passada para prolongar os cortes na produção até 2018.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que tem de saber antes de abrirem os mercados

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião