Lucro da Continental Pneus Portugal ultrapassa um milhão de euros

  • Lusa
  • 1 Junho 2017

Vendas caíram 6% mas não impediram a fabricante de pneus alemã de registar o segundo melhor resultado de sempre em Portugal.

O lucro da Continental Pneus Portugal (CPP) aumentou 14% em 2016, ultrapassando a fasquia do milhão de euros, enquanto as vendas recuaram 6%, para 67,4 milhões, ainda assim “o segundo melhor resultado de sempre”, foi hoje anunciado.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a empresa do grupo alemão Continental diz ter obtido um resultado líquido de 1,068 milhões de euros no ano passado e justifica a “ligeira descida” das vendas, face aos mais de 71 milhões de euros de 2015, com a “redução na venda de pneus para equipamento de origem para o principal cliente nacional, que se encontra em fase de adaptação de ciclos de produto”.

De acordo com o diretor geral da Continental Pneus, Pedro Teixeira, os “fatores decisivos” para os resultados obtidos no mercado nacional foram “o empenho e a dedicação da equipa e a coerência na estratégia da presença ativa nos diferentes canais de venda em toda a cadeia de negócio”.

Para este ano, as perspetivas apontam para um crescimento na ordem dos 1,5%.

No mercado de pneus pesados, a Continental diz ter registado um desempenho “bastante positivo” em 2016, com a faturação dos produtos de camião a apresentar um aumento global de 12% face a 2015, sendo que os pneus industriais tiveram “um ano excelente em termos de vendas”, mantendo os mesmos níveis de faturação de 2016.

"Os fatores decisivos para os resultados obtidos no mercado nacional foram “o empenho e a dedicação da equipa e a coerência na estratégia da presença ativa nos diferentes canais de venda em toda a cadeia de negócio.”

Pedro Teixeira

Diretor geral da Continental Pneus Portugal

No retalho, a Continental Pneus destaca ter mantido “a forte aposta no desenvolvimento da sua rede de parceiros ContiService”, que conta atualmente com 65 pontos de venda em Portugal Continental e nas ilhas: “Este projeto reforça a presença da Continental no mercado. Desenvolvemos e apoiamos os nossos parceiros na implementação de ferramentas de negócio adaptadas às suas necessidades, conferindo-lhe maior visibilidade junto do consumidor final e potenciando a dinamização e exploração do seu negócio”, sustenta Pedro Teixeira.

Segundo salienta, a Continental está “cada vez mais consciente da importância de ter uma presença ativa em toda a cadeia de valor, desde o tradicional retalhista, passando pelos diversos segmentos de clientes profissionais, até ao consumidor final”.

Dado o “crescimento acentuado” verificado nos últimos quatro anos no mercado de pneus ligeiros e pesados – 38% e 18,5%, respetivamente – a Continental prevê para este ano um crescimento de cerca de 1,5% em ligeiros e pesados.

“Contudo, no que se refere ao mercado de ligeiros, o crescimento do segmento UHP (Ultra High Performance – jantes 17” ou superiores) espera-se que seja mais acelerado”, destaca.

No mercado de ligeiros, a Continental diz manter para 2017 como “principal objetivo a consolidação da sua posição de liderança no mercado nacional”.

Entre as apostas da companhia para este ano está o segmento dos pneus industriais (‘specialty tires’), onde considera existirem “alguns indicadores positivos de desenvolvimento ligados à atividade industrial da distribuição, logística e ao aumento das atividades de portos e aeroportos” que permitam antecipar “um desenvolvimento muito positivo desta área de negócio”.

Outra aposta é o “crescimento estruturado da rede ContiService”, que conta atualmente com 65 pontos de venda, e que o responsável da Continental diz pretender assumir-se como “a referência nacional para qualquer retalhista de pneus que procure um conceito que lhe proporcione soluções com valor acrescentado”.

"Alguns indicadores positivos de desenvolvimento ligados à atividade industrial da distribuição, logística e ao aumento das atividades de portos e aeroportos permitam antecipar um desenvolvimento muito positivo desta área de negócio.”

Pedro Teixeira

Diretor geral da Continental Portugal

Já na área de pneus pesados, a estratégia da Continental para 2017 passa por manter a dinamização do contacto direto com as frotas e a consolidação da sua rede de parceiros Conti 360º.

Responsável pela comercialização e distribuição de 11 marcas do universo Continental nos segmentos ligeiros, pesados e industriais – entre as quais a Continental, Uniroyal, Mabor e Barum – a CPP emprega cerca de meia centena de trabalhadores e reclama a liderança, desde 2013, do mercado no segmento de pneus ligeiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucro da Continental Pneus Portugal ultrapassa um milhão de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião