CMVM mudou. Está “mais eficiente e mais ágil”

  • ECO
  • 2 Junho 2017

O regulador do mercado de capitais português procedeu a uma restruturação interna da sua organização. A reorganização visa tornar "mais eficiente e mais ágil" a atuação do "polícia da bolsa".

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) avançou com uma restruturação interna. Procurando adaptar-se às novas necessidades, o supervisor, liderado por Gabriela Figueiredo Dias, ajustou a sua organização, tentando assim ser “mais eficiente e mais ágil” no sentido de garantir um melhor acompanhamento dos mercados para proteger os investidores.

“Na prossecução da sua missão — assegurar a integridade, a estabilidade e o desenvolvimento dos mercados financeiros, promovendo a proteção do investidor –, a CMVM procedeu a uma restruturação interna da sua organização“, refere o regulador do mercado de capitais português em comunicado.

Esta “restruturação visa essencialmente o ajustamento da organização ao contexto de mercado e aos seus desafios, nas condições específicas de atuação da CMVM. Em particular, esta reorganização procura tornar a organização mais focada, mais eficiente e mais ágil, reforçando a supervisão, acompanhando a inovação e a educação financeira e intensificando a proteção do investidor”, nota.

Assim, salienta que foram criadas novas áreas dentro da CMVM. Uma é a área de supervisão de entidades, que engloba o departamento de autorizações e registos, de supervisão contínua e de supervisão presencial, sendo a outra a de supervisão de mercados, dividida entre o departamento de supervisão de mercados, de emitentes, investigação e o departamento de relação com investidores e desenvolvimento do mercado.

Conheça a nova organização da CMVM:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CMVM mudou. Está “mais eficiente e mais ágil”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião