Evento de luxo em Napa? Atenção ao chef… Coppola

  • Bloomberg
  • 2 Junho 2017

37ª edição do leilão de luxo em Napa decorre este fim de semana. A direção de tachos e panelas está a cargo do chef... Francis Coppola.

Este fim de semana, a 37ª edição do leilão de vinhos para caridade mais luxuoso do mundo vai desenrolar-se como um filme cheio de glamour e realizado pela realeza de Hollywood. O objetivo é incentivar os 2.000 convidados a doarem uma quantia maior que os 14,3 milhões de dólares recolhidos no ano passado — e talvez superar o recorde de 18,4 milhões de 2014. Todos os recursos serão destinados a instituições de caridade locais.

O brilho virá de Francis Ford Coppola e da família, copresidentes honorários do evento anual Auction Napa Valley, que dura quatro dias e começou oficialmente na noite desta quinta-feira, 1 de junho. Mas a família Coppola não é uma simples figura no evento: os Coppola dividiram responsabilidades e estão a assumir o desafio de meter as mãos na massa. Desde o jantar glamoroso de Sofia até as barracas de comida e vinho de Eleanor e o after-party de Gia, a família Coppola está em tudo.

“Tivemos uma pequena reunião familiar e cada um — a minha mulher Eleanor, a minha filha Sofia, o meu filho Roman, minha neta Gia e eu — parecia estar relacionado com um aspeto particular do evento”, diz Coppola.

Vencedor de cinco Óscares, Coppola vai dirigir as operações e cozinha no ponto alto do fim de semana em termos culinários, o jantar pós-leilão de sábado. Exatamente: o mestre de O Chefe Poderoso vai orientar a cozinha com massas e acompanhamentos. Quer ajudar? Os participantes do leilão podem inscrever-se para ser um dos 30 “extras” de que ele precisa como sous-chefs para mexer o molho pomodoro ou enrolar gnochis à mão. Coppola contará, certamente, histórias de família, como sempre faz.

Um especialista na cozinha

Mas não pense que Coppola nunca desempenhou este papel na vida. No início da carreira como realizador, Francis preparava regularmente pratos de massa para um pequeno grupo de amigos que incluía George Lucas e Martin Scorsese. Além disso, já fez companhia a Martha Stewart na cozinha para fazer gnochis de batata e também preparou uma receita secreta de espaguete para um jantar do Festival Internacional de Cinema de Marraqueche, em 2015.

Mas a participação de Coppola no leilão reflete a profunda ligação da família a Napa Valley, iniciada quando Francis e Eleanor compraram parte da histórica adega Inglenook, em 1975, depois do sucesso do filme. A família chama “lar” ao local. E, quando começou a produzir vinho, em 1977, a família esmagava uvas com os pés, contou Coppola uma vez.

Durante o fim de semana há uma agenda de jantares, festas e três oportunidades para apresentar grandes ofertas — o e-Auction, o Friday Barrel Auction e o Saturday Live Auction. Entre as 25 instituições de caridade de Napa beneficiadas depois do leilão estão o St. Helena Hospital e o Boys & Girls Clubs.

Na maioria dos eventos haverá um ou outro Coppola envolvido. O e-Auction, com 186 lotes, começou a 28 de maio (com oferta mínima de 250 dólares) e termina em 4 de junho. Nas noites de quinta e sexta-feira, os participantes poderão participar de festas ao ar livre em várias adegas da região, além de poderem também provar os vinhos aí produzidos.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Evento de luxo em Napa? Atenção ao chef… Coppola

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião