Jimmy Choo está à venda: este é um negócio de luxo

  • ECO
  • 24 Abril 2017

A marca de sapatos de luxo dá um salto nas vendas e na valorização mas é colocada na montra dos mercados. A JAB quer vendê-la para se concentrar em negócios da área da alimentação e bebidas.

A JAB Luxury quer vender a Jimmy Choo numa altura em que a marca de luxo está a valorizar. O motivo? Uma redefinição de estratégia da JAB, que foge dos sapatos na direção dos comes e bebes, nos quais tem vindo a investir. Ainda não há interessados.

A emblemática Jimmy Choo esteve nos pés da Princesa Diana ou da personagem Carrie Bradshaw, da série Sexo e a Cidade. Chegou às mãos da JAB em 2011 por 587 milhões de euros. Em 2014, uma parcela de 30% foi vendida nos mercados, mas a JAB continua soberana. A mais recente decisão foi a venda, pois a JAB quer focar-se nos bens de consumo em que tem investido milhares de milhões nos últimos anos, com a aquisição da Caribou, Krispy Kreme Doughnuts e Panera Bread.

Esta proposta surge numa altura de grande valorização da marca de sapatos. As vendas aumentaram 15% no último ano, para os 427 milhões de euros, considerando o efeito do Brexit na libra esterlina, que permite beneficiar das conversões nas vendas no estrangeiro. Mesmo sem este efeito, as vendas aumentaram 1,6% em 2016. As ações valorizaram 25% só no último ano. Para mais, a procura por estes artigos na China está a crescer a olhos vistos. Segundo Jonathan Buxton, chefe de consumo na Cavendish Corporate Finance, este aumento da procura na Ásia e Médio Oriente pode promover “ofertas de compradores estrangeiros”.

O processo de venda deverá ser concluído no final do verão, apesar da escassez de ofertas que se verifica para já. Também a Bally, outra marca de luxo do portefólio, irá pelo mesmo caminho.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Jimmy Choo está à venda: este é um negócio de luxo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião