ACR Ratings mantém rating de Portugal com perspetiva estável

A agência reconfirmou a notação financeira da República em grau de investimento. A perspetiva continuou estável, depois de ter melhorado em março.

A agência de rating portuguesa confirmou a notação financeira de Portugal em ‘BBB-‘, mantendo a perspetiva estável, a qual tinha melhorado em março. A ACR Ratings considera que a economia portuguesa valoriza entre 1,5% e 2% a médio prazo, um crescimento sustentado por exportações e investimento. A expectativa que dá base à decisão publicada esta segunda-feira é também a de que o Governo continuará a dar prioridade à consolidação orçamental e às reformas estruturais, “mesmo que a um passo lento”.

A agência liderada pelo economista português José Poças Esteves traça um cenário positivo para Portugal dado que projeta uma subida do PIB perto de 2% em 2017 e 2018. Subjacente a este desempenho da economia estará uma queda da taxa de desemprego, estima a ACR Ratings, referindo que a dívida pública continuará a ser o constrangimento que mais pesará no rating português. No entanto, a ACR assinala que o Programa de Estabilidade 2017-2021 do Executivo “reafirma” a consolidação orçamental como uma prioridade do país.

Tal como tinha feito na decisão de março, a ACR Ratings elencou os motivos pelos quais classifica Portugal com um grau de investimento, ao contrário das outras agências de rating:

  • Forças institucionais que ajudaram Portugal a gerir a crise na estabilização da sua economia;
  • Compromisso continuado em torno da consolidação orçamental;
  • Vontade comprovada e capacidade para salvaguardar a estabilidade do sistema financeiro afetado pela crise e por anos de políticas de crédito imprudente;
  • Gestão proativa da dívida que contem os riscos associados à elevada dívida pública acima de 130% do PIB;
  • Melhoria das estatísticas do emprego, embora abaixo dos níveis pré-crise;
  • Acesso à liquidez do BCE e aos mercados de financiamento;
  • Ambiente político na Zona Euro consciente dos riscos de deflação;
  • Zona Euro que providencia um enquadramento institucional para a gestão económica e é uma fonte comprovada de liquidez de emergência.

A ARC Ratings — formada em 2013 em resultado da fusão de várias agências mundiais, entre elas a Companhia Portuguesa de Ratings — considera dois cenários futuros de “pontos de viragem” em que a notação financeira pode melhorar ou piorar. Para ficar com um rating mais vantajoso, Portugal terá de crescer a um ritmo mais elevado (mais de 2%, estima a ACR), reduzir rapidamente o peso da dívida (para menos de 100% do PIB) e modificar a estrutura da economia, focando-se nas empresas exportadoras.

Por outro lado, o rating português pode ser penalizado por um cenário de deflação, um défice superior a 3%, uma subida do peso da dívida pública ou um crescimento da economia inferior a 1%. Além disso, um ambiente político instável também irá prejudicar o país, nomeadamente a conjuntura externa: temas como o apoio do Banco Central Europeu e da União Europeia, o impacto do Brexit ou a política dos Estados Unidos são fatores determinantes.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

ACR Ratings mantém rating de Portugal com perspetiva estável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião