Popular afunda 18% com presidente sob fogo

Títulos do banco espanhol voltam a afundar-se para mínimos de sempre. Emilio Saracho está sob fogo dos principais acionistas, que reprovam a forma como o presidente está a tentar salvar o Popular.

Pressão dos mercados em torno do Banco Popular. As ações do banco espanhol afundam para um novo mínimo histórico depois de o Crédit Mutuel ter anunciado a sua renuncia como vogal do conselho de administração do banco. E isto antes de uma reunião decisiva com o Banco Central Europeu (BCE).

Os títulos do Popular estiveram a afundar mais de 18% esta manhã para um novo mínimo de sempre perto dos 30 cêntimos. Entretanto, aliviaram as perdas e cedem há momentos 11,14% para 0,367 euros.

A administração de Emilio Saracho está sob fogo. Foram vários os membros do conselho de administração do Popular que manifestaram descontentamento com a forma como o atual presidente do banco está a conduzir o processo para a resolução dos problemas da instituição. “Para isso tínhamos ficado com Ron (anterior CEO)”, disse um dos membros na última assembleia geral, a dia 31 de maio, de acordo com o jornal espanhol Confidencial (conteúdo em espanhol).

Popular em mínimos de sempre

Fonte: Bloomberg (valores em euros)

Foi uma das reuniões mais tensas de sempre, adiantaram fontes citadas por aquele jornal, e na qual os representantes dos principais acionistas reprovaram o plano de Saracho para o banco e a sua ação pouco acertada para manter intacta a parte boa do Popular, sobretudo o negócio com as pequenas e médias empresas (PME).

Este descontentamento ficou à vista de todos esta segunda-feira com a renúncia do Banque Féderative du Crédit Mutuel do cargo de vogal do conselho de administração.

A crise no Popular acontece na véspera de uma importante reunião com o BCE. Acontece já esta terça-feira e terá como objetivo a proteção do banco depois da saída em massa de depósitos e da deterioração do crédito. Em vista poderá estar um empréstimo adicional.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Popular afunda 18% com presidente sob fogo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião