Sou cliente do Popular. E agora?

A compra do Banco Popular pelo Grupo Santander, no âmbito de uma resolução, não afetará os clientes do banco em Portugal. O ECO explica-lhe porquê em cinco pontos.

Há muito tempo que o Banco Popular passa por dificuldades. Agora foi encontrada uma solução para a instituição financeira espanhola: foi comprada pelo Banco Santander, por um euro, no âmbito de uma resolução imposta por Bruxelas. Para os clientes do Banco Popular Portugal, a filial portuguesa do banco espanhol, qual o impacto que podem sofrer em resultado dessa operação? Vão ter de mudar de banco? Os seus depósitos estão seguros? O que acontece com os depósitos e créditos? O ECO responde-lhe a essas e outras dúvidas em cinco pontos.

Sou cliente do Popular. Tenho de mudar de banco?

Não. Os clientes não precisam de fazer nada. Todos os clientes do Popular, em Portugal, passam automaticamente a fazer parte do Santander Totta. Ana Botín, a presidente do banco, diz que a “transição levará algum tempo mas os clientes podem estar tranquilos. Vamos gerir este processo de transição com tranquilidade”. O próprio Banco de Portugal confirmou isso mesmo. Em comunicado, o regulador da banca nacional diz que a operação” não implica qualquer alteração na atividade do banco português, que continua a operar com total normalidade, agora integrado num novo grupo bancário”. Desta forma, toda a relação que havia mantém-se agora sob a gestão do Santander Totta.

Os meus depósitos estão garantidos?

Sim. Todos os depósitos estão garantidos, independentemente do montante. As quantias depositadas serão asseguradas pelo Santander Totta, que passa a incorporar a unidade portuguesa do Banco Popular, estando em qualquer dos casos os valores garantidos até um montante máximo de 100 mil euros por depósito e depositante pelo Fundo de Garantia de Depósitos. Mesmo os juros que possam resultar das aplicações a prazo estão garantidos, sendo que o pagamento dessa remuneração aos clientes passa a ser da responsabilidade do Santander Totta, de acordo com os termos que tinha acordado com o Popular.

O que acontece ao meu crédito?

Nada muda com os créditos que tem atualmente contratados com o Banco Popular. À semelhança do que aconteceu com o Banif, quando também foi adquirido pelo Santander Totta no final de 2015, as condições dos créditos mantêm-se, com a existência de preçários distintos para as duas instituições financeiras. Mas se quiser fazer um novo crédito, as condições já serão aquelas que o Santander Totta quiser impor — no caso da habitação, o Totta tem um spread até mais baixo, 1,25% face aos 1,7% do Popular. Consequentemente, o pagamento do capital em dívida, dos juros e de outros encargos deverá continuar a ser efetuado pelos mutuários/devedores nos mesmos termos em que era efetuados perante o Popular.

Posso continuar a fazer compras com o meu cartão do Popular?

Sim. Os cartões continuam associados à mesma conta, que agora passa a estar sob a gestão do Santander Totta. Quando o processo de integração do Popular no Santander Totta estiver totalmente completo, deverão ser emitidos novos cartões para os clientes com a marca do Santander Totta, mas o processo deverá decorrer com normalidade. Em termos de pagamentos e levantamentos não há qualquer impacto.

O meu balcão continua a ser o mesmo?

Sim, para já o balcão irá continuar a ser o mesmo, assim como as pessoas que o acompanham. Com a incorporação, aquilo que deverá acontecer é a alteração dos balcões do Popular para a designação de Santander Totta — não sendo ainda conhecido nem a data para essa conversão, nem os balcões que poderão ser encerrados por sobreposição de agências. No entanto, enquanto isso não acontece tudo se mantém na mesma.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sou cliente do Popular. E agora?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião