Santander Totta ultrapassa BCP como maior banco privado português após compra do Popular

O Banco Popular Portugal vai ser incorporado pelo Santander Totta, que passa a deter uma quota de mercado de 17%. Torna-se assim o maior banco privado a operar em Portugal em ativos.

A compra do Banco Popular pelo Grupo Santander vai ter impacto não só no desenho do sistema financeiro espanhol como no do português. Para além de o Banco Santander se tornar no maior banco em Espanha, em Portugal, o Santander Totta torna-se no maior banco privado no mercado nacional em ativos.

Em resultado da compra do Popular pelo Banco Santander, a filial portuguesa do Banco Popular será incorporada pelo Santander Totta. Com a passagem dos ativos do Banco Popular de Portugal para o Santander Totta, este torna-se na maior instituição financeira privada a operar em Portugal em termos de ativos, ultrapassando assim o BCP. Juntamente com o Popular, o valor dos ativos passa a ser de 53,9 mil milhões de euros, acima dos cerca de 52 mil milhões de euros do BCP só em Portugal. O BCP tem, no total, ativos, de 71 mil milhões.

Em comunicado, o Santander Totta explica que “passa a deter uma quota de mercado de cerca de 17%, tornando‐se no maior banco privado português em termos de ativos e de crédito e um dos maiores em termos de recursos“. Com esta operação, o Totta, em conjunto com o Popular, passa a deter perto de 39 mil milhões de euros em créditos. Um valor que corresponde a uma quota de mercado de 17,5%, segundo o Santander.

Quota de mercado depois da compra do Popular

Fonte: Santander

No mesmo comunicado, o banco liderado por António Vieira Monteiro, diz ainda que a incorporação da filial portuguesa do Banco Popular irá criar “condições para desenvolver ainda mais a sua atividade de apoio às famílias e empresas portuguesas”.

Relativamente aos clientes e aos cerca de mil colaboradores do Popular Portugal, a instituição liderada por Vieira Monteiro diz que “a decisão hoje tomada garante […] os benefícios da solidez e confiança que são reconhecidos ao Santander Totta”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander Totta ultrapassa BCP como maior banco privado português após compra do Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião