Santander estuda aumento de capital para compra do Popular

O Santander está a estudar a possibilidade de avançar com um aumento de capital no valor de 5.000 milhões de euros para mitigar os impactos da eventual compra do banco Popular.

O Santander estará a estudar a possibilidade de avançar com um aumento de capital de mais de 5.000 milhões de euros caso decida fazer uma oferta para a compra do banco Popular, avança a Bloomberg. A instituição de Ana Botín poderá vender ações como forma de reduzir o impacto que a incorporação do banco espanhol pode ter no seu capital.

Emilio Saracho está numa corrida contra o tempo para melhorar os resultados do Popular, procurando um comprador ou, em contrapartida, avançando também ele com uma venda de ações, caso não consiga encontrar um. A Bloomberg cita agora “fontes familiarizadas com o assunto” para indicar que uma venda de ações do Santander permitirá mitigar a pressão que os ativos tóxicos do Popular poderão, eventualmente, exercer sobre o capital do banco.

A agência sublinha que ainda não existe uma decisão final da parte do Santander relativamente à compra, ou como a mesma será financiada. A última vez que o dono do Totta no mercado nacional aumentou capital foi no início de 2015, com a venda de 7,5 mil milhões de euros em ações. Do lado do Popular, a instituição garante que se mantém com liquidez, mas tem vindo a desfazer-se de ativos para isso. Os mais recentes foram a posição no Targobank e uma parcela minoritária na Merlin Properties Socimi.

Recorde-se que, na última sexta-feira, a Bloomberg avançou também que o Popular se iria reunir com o Banco Central Europeu (BCE) esta terça-feira para pedir ajuda, nomeadamente um empréstimo adicional para reforçar a liquidez face à deterioração do crédito e aos resgates de depósitos. Para já, não há informação sobre o que ficou decidido nesse encontro, que decorreu em Frankfurt entre o presidente do banco e o administrador Ignacio Sánchez-Asiaín, com representantes do BCE.

Popular assiste a hemorragia na bolsa

O Popular caiu 6,21% na Bolsa de Madrid esta terça-feira, continuando uma série de oito sessões de perdas que levaram a uma redução de mais de mil milhões de euros na sua capitalização bolsista. Com esta descida, as ações do ficaram em 31,7 cêntimos, um mínimo histórico para a instituição. Na segunda-feira, as ações do banco tinham fechado a cair 18% e na sexta-feira terminaram com uma descida de 17,4%. Desde o início da semana passada, as perdas chegaram já aos 53%.

Após oito sessões consecutivas de descidas, a capitalização bolsista do banco está agora reduzida a 1.330 milhões de euros, a mais baixa de todo o IBEX 35, o principal índice da Bolsa de Madrid. O governador do Banco de Espanha, Luís Linde, recusou pronunciar-se sobre a situação do Popular, quando foi questionado sobre o assunto numa comissão do Senado. “Não posso dizer nada. Não é o momento nem venho preparado para isso”, afirmou.

(Notícia atualizada às 19h42 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santander estuda aumento de capital para compra do Popular

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião