BCE não mexe na taxa. Draghi muda o discurso?

  • Lusa
  • 8 Junho 2017

Com a taxa de inflação a aliviar, o BCE deverá manter a taxa de referência inalterada. As atenções viram-se para as declarações de Mario Draghi.

O Banco Central Europeu (BCE) deverá manter, numa reunião em Talin, na Estónia, as taxas de juro de referência para a zona euro, segundo os analistas ouvidos pela Lusa.

De acordo com o departamento de estudos económicos do banco BPI, antes do final do verão “não se antecipam novidades” de política monetária, mas o BCE deverá reconhecer o cenário de crescimento mais equilibrado, mantendo, contudo, um discurso cauteloso e com enfoque na trajetória de inflação que voltou a recuar em maio, corrigindo um efeito de calendário.

“Entretanto a apreciação da moeda europeia, pelo potencial impacto na inflação, reforça a argumentação a favor dos que advogam a manutenção de uma postura pouco agressiva na comunicação com o mercado”, refere.

Para o economista chefe da Allianz Global Investors (AllianzGI), Franck Dixmier, “com um caminho difícil pela frente, o BCE não tem pressa”.

Para o responsável, quando o banco central “alterar finalmente o curso”, irá reduzir gradualmente os estímulos primeiro, para aumentar os juros de seguida.

“Mas isso não deve acontecer no próximo encontro do banco. Ao invés, o presidente Draghi vai dar ênfase à sólida recuperação na zona euro, ao mesmo tempo que apresenta a baixa inflação-base como motivo para não tomar quaisquer medidas substantivas”, disse.

Para o gestor da corretora XTB, Eduardo Silva, a política monetária expansionista do BCE está a ter um impacto forte no crescimento, emprego e inflação e, de uma forma secundária, tem ainda influência no investimento, nos juros da dívida, no sentimento de mercado e principalmente, está finalmente a servir de catalisador da economia europeia.

“Desde a última reunião, assistimos a um deteriorar ligeiro dos dados económicos, essencialmente dos dados ‘core’ da inflação. Verificamos uma aceleração do crescimento, no entanto a inflação, mesmo perto de máximos de quatro anos, estará realmente numa tendência sólida de subida? Vários analistas não acreditam que a inflação ‘core’ não esteja a subir ao ritmo exigido para sinalizar o final do programa”, referiu.

Assim, para Eduardo Silva, o consenso entre analistas aponta para que existam novidades em termos de política monetária na reunião de setembro ou dezembro.

Até lá, disse, o presidente da instituição, Mario Draghi, “terá de fazer um balanço entre traçar um cenário positivo, sem que anuncie uma inversão na política do BCE”.

Para o gestor de ativos da Orey iTrade, José Lagarto, o “ruído” em torno do BCE tem sido uma constante ao longo dos últimos meses.

“Os países do norte da Europa em geral, e em particular a Alemanha, têm elevado as pressões sobre o banco central de forma a que este inicie o processo de normalização da política monetária, diminuindo os incentivos, subindo taxas de juro e baixando o montante do programa de compra de ativos”, disse.

Mas a resposta até agora por parte de Mario Draghi tem sido a de que a normalização da política monetária acontecerá quando estiverem reunidas as condições necessárias para a manutenção da estabilidade de preços na zona euro, notou José Lagarto, referindo-se aos números relativos à inflação e ao fraco crescimento dos salários.

Por outro lado, avisou, ainda se mantêm eventos de risco na Europa, com eleições na Alemanha e em Itália e ainda as negociações em torno do ‘Brexit’.

Assim, concluiu, o BCE poderá manter hoje a sua política monetária, prosseguindo o discurso de que a atual política monetária continuará a servir os objetivos do banco central, com o programa de compra de ativos a ser levado a cabo até finais deste ano, conforme decisão anterior, e a manutenção dos atuais níveis das taxas de juro.

A principal taxa de refinanciamento do BCE está em 0%, um mínimo histórico fixado em março de 2016.

Em 10 de maio, Mario Draghi disse que a política de estímulos monetários do BCE termina quando se cumprirem os objetivos de inflação e que ainda é cedo para o fazer.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCE não mexe na taxa. Draghi muda o discurso?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião