Popular tranquiliza clientes. “Não há qualquer alteração”

O Santander Totta passa a ser o maior banco privado a atuar em Portugal, em valor de ativos. Para os clientes, não muda nada, garante o Popular.

A medida resolução imposta ao Banco Popular, que será integrado no Santander, “não implica qualquer alteração” na atividade do banco em Portugal, onde será assegurada a “continuidade dos serviços”. A garantia é dada, esta quinta-feira, pelo Banco Popular Portugal, em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

O Santander comprou o Popular por um preço simbólico de um euro, avançando posteriormente com um aumento de capital de sete mil milhões de euros. A resolução, a primeira a ser imposta pelo Mecanismo Único de Resolução, implica que o banco passe a integrar o grupo Santander, incluindo em Portugal.

Para o Banco Popular Portugal, esta medida não implica qualquer alteração na sua atividade, mantendo no atual momento a continuidade dos serviços prestados aos seus clientes e o apoio ao financiamento“, pode ler-se no comunicado enviado à CMVM.

“Naturalmente, como consequência da aquisição efetuada, iniciar-se-á um processo que conduzirá à integração do Banco Popular Portugal no Banco Santander Totta, processo que será conduzido com a maior normalidade e que em resultado levará ao surgimento do maior banco privado português em ativos e no apoio às famílias e às empresas portuguesas“, acrescenta o comunicado.

O Santander Totta ultrapassa, assim, o BCP como o maior banco privado em Portugal. Com a passagem dos ativos do Popular de Portugal para o Santander Totta, este passa a contar com ativos de 53,9 mil milhões de euros, acima dos cerca de 52 mil milhões que o BCP detém em Portugal.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Popular tranquiliza clientes. “Não há qualquer alteração”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião