Bolsa de Londres lidera ganhos na Europa. Cenário de “soft Brexit” anima investidores

Os principais índices bolsistas da Europa seguem em alta, com o britânico a liderar as subidas. Investidores estão a apostar que o resultado eleitoral do Reino Unido dite um "soft Brexit".

Os investidores não parecem estar preocupados com o resultado das eleições gerais no Reino Unido, que ditam a perda da maioria do partido de Theresa May no Parlamento britânico. Antes pelo contrário. Apesar de o valor da libra ter derrapado no seguimento das primeiras projeções, com perdas acima de 2%, os mercados acionistas do Velho Continente, pelo contrário, reagiram em alta. Neste arranque de sessão, os principais índices bolsistas europeus arrancam com ganhos, que são mesmo encabeçados pelo índice britânico. Este avança 0,47%, mas já esteve a valorizar mais de 1%, com os investidores a apostarem num “soft Brexit“, um cenário bem mais amigo dos mercados.

O FTSE 100 avança 0,47%, para os 7.485,36 pontos, suportado pelo avanço dos títulos das exportadoras, um dos setores mais ameaçados pela possibilidade de um “hard Brexit”, cenário que parece agora estar mais distante. A perda de maioria no Parlamento de Theresa May significa que esta possui menos margem de manobra para negociar uma “saída dura” da União Europeia, já que vai necessitar de suporte da oposição nas negociações com Bruxelas. O jogo pode mesmo mudar, tendo em conta que o seu opositor do Partido dos Trabalhistas, Jeremy Corbyn, já revelou a intenção de formar uma maioria que o permita governar. Tal sugere que o Reino Unido será incapaz de conseguir reunir consensos a tempo de cumprir com o prazo de duas semanas que ditam o arranque das negociações com a União Europeia.

“Uma vitória minoritária dos Conservadores ou um resultado indefinido aumentaria, segundo alguns investidores, a incerteza política mas por outro lado aumentaria a probabilidade de uma postura mais conciliante do Reino Unido no processo de saída da UE, a denominada soft Brexit”, diz o BPI no seu diário de bolsa.

Ainda antes da abertura dos mercados, já se começava a reunir algum consenso de que os mercados acionistas não seriam penalizados pelo resultado das eleições do Reino Unido. “Apesar de se estar a assistir a uma elevada volatilidade da libra, são fracas as perspetivas de que se estenda aos mercados de uma forma abrangente”, dizia Ray Attril, responsável pela estratégia cambial do National Australia Bank.

No resto da europa, o Dax alemão avança 0,23%, para os 12.743,34 pontos, enquanto o CAC francês soma 0,32%, para os 5.281,15 pontos. Por sua vez, o Ibex espanhol progride 0,14%, para os 10.968,1 pontos. A praça lisboeta segue no mesmo sentido, com um avanço de 0,13%, para os 5.247,17 pontos.

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa de Londres lidera ganhos na Europa. Cenário de “soft Brexit” anima investidores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião