Abertura da ADSE a novos beneficiários derrapa para setembro

  • ECO
  • 12 Junho 2017

Em causa está o atraso nas eleições dos representantes dos beneficiários que vão integrar o conselho geral da ADSE.

O alargamento do acesso à ADSE a novos beneficiários voltou a ser adiado. Inicialmente, a expectativa era que, em maio, este processo já estivesse concluído. Mas o atraso na escolha dos representantes dos beneficiários que vão integrar o conselho geral e de supervisão da ADSE voltou a adiar a abertura a novos beneficiários. Agora, isto só deverá acontecer na primeira quinzena de setembro, noticia o Público (acesso condicionado), esta segunda-feira.

O mesmo jornal lembra que a portaria que regulamenta o processo eleitoral para escolher os quatro representantes com assento no conselho geral e de supervisão da ADSE já está concluída e pronta para ser publicada em Diário da República. Uma vez publicada, o processo eleitoral terá de ocorrer no prazo de dez dias. Juntando-se os prazos necessários para a convocação das eleições, o processo acabaria por coincidir com o período de férias.

Por isso, diz Carlos Liberato Baptista, presidente da ADSE, não há ainda condições para fazer as eleições, já que o objetivo é que o processo seja participado. A eleição deverá, assim, ocorrer “durante a primeira quinzena de setembro”, diz.

Esta é já a segunda vez que o processo é adiado. No final de março, a Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) dava conta de que o acesso à ADSE por novos beneficiários deveria ser possível a partir de maio. O processo acabou por derrapar para o verão, pelo atraso nas eleições. Agora, volta a ser atrasado para setembro.

Quando entrar finalmente em vigor, o novo regulamento deverá estender os serviços da ADSE aos cônjuges de beneficiários, filhos dos beneficiários que tenham entre 26 e 30 anos e trabalhadores de empresas públicas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abertura da ADSE a novos beneficiários derrapa para setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião