Balcão ambulante da CGD já tem rodas… e o “ok” do BdP

  • Rita Atalaia
  • 12 Junho 2017

Quer conhecer o que será o serviço móvel da CGD? Basta ir à Feira do Livro de Lisboa. Já há um protótipo. O regulador já fez saber ao banco que não se opõe à iniciativa, apurou o ECO.

O projeto da Caixa Geral de Depósitos (CGD) para um serviço móvel de balcões, feito com carrinhas, já tem rodas. Na Feira do Livro de Lisboa é possível ver um exemplo do que será o protótipo desenhado pelo banco liderado por Paulo Macedo. Segundo apurou o ECO, o Banco de Portugal já fez saber à CGD que não se opõe à iniciativa do banco estatal para apoiar as populações nas zonas em que a instituição encerrou os seus balcões.

O protótipo da carrinha da CGD pode ser visto na Feira do Livro de Lisboa

Foi em abril que Paulo Macedo revelou que a CGD já tinha pedido autorização ao Banco de Portugal para criação deste serviço “sobre rodas” como alternativa às agências. Um processo que o presidente do banco estatal disse estar a avançar rapidamente, uma vez que o banco central liderado por Carlos Costa estava a acelerar o processo de aprovação.

O ECO sabe que o regulador não se opõe a esta iniciativa. Uma posição que já foi transmitida à CGD. Mas agora cabe ao banco estatal conceber o projeto e definir quais serão os serviços prestados, o que será depois escrutinado pelo Banco de Portugal.

Segundo apurou o ECO, não serão prestados serviços de tesouraria por uma questão de “segurança”, limitando-se ao aconselhamento dos clientes. O presidente da CGD já tinha referido que se esta carrinha tivesse uma caixa multibanco teria provavelmente de ter acompanhamento por uma empresa de segurança devido ao transporte de dinheiro. Embora ainda possa sofrer alterações, no interior deste protótipo apenas se vê uma mesa e cadeiras.

No interior, é apenas visível um balcão que servirá para apoiar as populações em zonas que perderam os balcões da CGD.

Questionada sobre que tipo de serviços vão ser disponibilizados nesta carrinha, fonte oficial da CGD refere apenas que o objetivo é a “prestação de grande amplitude de serviços bancários, mas sempre de acordo e subordinada ao que o Banco de Portugal venha a permitir e/ou a regular”.

A carrinha que se encontra no recinto é um “protótipo a funcionar como stand de apoio numa ação de comunicação”, adianta a mesma fonte. “Só quando for conhecida a apreciação e deliberação, por parte do Banco de Portugal, será possível conhecer os requisitos a serem considerados. Isto é, a sua configuração final [referindo-se ao protótipo que está exposto na Feira do Livro de Lisboa] enquanto balcão móvel”, acrescenta.

Já tinha sido revelada uma foto daquilo que poderia ser a carrinha com que a CGD vai prestar este apoio nestas regiões, nomeadamente naquelas em que o fecho previsto das agências do banco faça com que as populações mais idosas e sem facilidade em usar serviços bancários pela Internet ou telefone percam o acesso a estes serviços.

Primeiras imagens do que seria o serviço móvel da CGD apresentadas por Paulo Macedo na COFMA.

A CGD tem previsto encerrar 61 agências, sendo 18 na área da Grande Lisboa, 15 a norte, 15 a sul e nas regiões autónomas e 13 na zona centro, segundo a lista revista divulgada em março após os protestos dos clientes. Várias já fecharam sem grandes sobressaltos, mas não foi isso que aconteceu em Almeida, na Guarda. A situação chamou mesmo à atenção do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

O fecho de agências foi negociado com Bruxelas e é uma das contrapartidas acordadas para que a recapitalização da CGD que está a decorrer, num montante superior a 5.000 milhões de euros, não seja considerada ajuda de Estado. Este ano está previsto o encerramento de dezenas de agências, mas até 2020 serão encerradas cerca de duas centenas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Balcão ambulante da CGD já tem rodas… e o “ok” do BdP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião