FMI sobe estimativas, mas deixa alertas à China

  • Lusa
  • 14 Junho 2017

O FMI diz que a China tem de acelerar o processo de reformas estruturais. Só assim conseguirá consolidar o crescimento da economia que deverá ser de 6,7% este ano.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) urgiu a China a acelerar o processo de reformas estruturais, especialmente no setor financeiro e nas empresas estatais, de forma a consolidar o seu crescimento económico. Isto ao mesmo tempo que reviu em alta as suas projeções para o PIB.

No relatório anual sobre a conjuntura na segunda maior economia do mundo, em que reviu em alta o crescimento esperado de 6,6% para 6,7% em 2017, o FMI insistiu também na importância de fomentar o consumo privado como motor económico, em detrimento do investimento público.

“Apesar da redução de alguns riscos a curto prazo, o progresso de reformas deve acelerar para assegurar a estabilidade a médio prazo e reduzir o risco de que a atual trajetória da economia possa levar a um ajuste duro“, assinala a instituição em comunicado.

A mesma nota refere que Pequim tomou medidas “cruciais” e destaca o abrandamento do endividamento das empresas, devido à reestruturação destas e redução do excesso de capacidade de produção.

O FMI constata ainda que o risco da bolha no setor imobiliário “está a ser contido” e que foi reduzido o número de habitações por vender.

O documento refere, no entanto, que fazem falta mais medidas para assegurar a continuação do crescimento da economia chinesa, que se fixou em 6,9%, no primeiro trimestre deste ano, em termos homólogos, após atingir os 6,7%, em 2016.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI sobe estimativas, mas deixa alertas à China

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião