Portugal parou um minuto em memória das vítimas de Pedrógão

País parou durante um minuto quando o relógio passou as 13h00 em memória das vítimas do incêndio em Pedrógão Grande. Presidente da República também prestou homenagem a partir daquela vila.

Matos Correia (PSD), António Costa e Ferro Rodrigues (PS) durante o minuto de silêncio em homenagem às vítimas de Pedrógão Grande.Paula Nunes / ECO

Portugal parou às 13h00 num minuto de silêncio à escala nacional em memória das vítimas do incêndio em Pedrógão Grande, numa iniciativa da Assembleia da República e à qual se associaram o primeiro-ministro e vários membros do Governo e ainda o Presidente da República a partir da vila que foi atingido pelo fogo no passado fim de semana.

A decisão de apelar à realização de um minuto de silêncio à escala nacional, hoje, às 13:00, foi tomada na terça-feira, em conferência de líderes parlamentares, e anunciada pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, numa altura em que os incêndios na região de Pedrógão Grande continuam sem dar descanso aos bombeiros.

Além dos deputados da Assembleia da República, também o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa cumpriu o minuto de silêncio nacional pelas vítimas do incêndio na vila de Pedrógão Grande, o epicentro da tragédia que já matou 64 pessoas e fez mais de 150 feridos.

“O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa associa-se à manifestação de pesar votada pela Assembleia da República e observará um minuto de silêncio hoje às 13:00, em Pedrógão Grande, em memória das vítimas”, lê-se numa nota divulgada na página da Presidência da República na Internet.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal parou um minuto em memória das vítimas de Pedrógão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião