O “inferno” de Pedrógão Grande em destaque na imprensa

O fogo que lavra desde sábado no distrito de Leiria continua a ser tema de destaque para a imprensa nacional e internacional esta segunda-feira. Veja as principais capas.

Os incêndios em Portugal, particularmente aquele que afeta desde sábado o distrito de Leiria, continua a ser tema de destaque na imprensa nacional e internacional. As capas dos jornais portugueses pintaram-se de negro e cinzento esta segunda-feira, mas o tema também merece atenção de alguns dos principais jornais espanhóis. No online, o destaque é dado pela esmagadora maioria dos órgãos de comunicação social generalistas da Europa.

“Como foi possível?”, questiona o Jornal de Notícias, com uma imagem da “estrada da morte” onde terão perecido mais de três dezenas de pessoas, cercadas pelas chamas. “Porquê?”, pergunta apenas o Público, destacando um automóvel completamente consumido pelo fogo nessa mesma estrada, a nacional 236-1. Já o Diário de Notícias não tem qualquer imagem: a capa é branca, com a indicação: “Em memória das vítimas.” O jornal i escolheu o negro para pintar, com letras brancas, a frase: “Portugal chora por Pedrógão Grande.”

No Correio da Manhã, a indicação é de “Luto”, com referência aos números da tragédia: 62 mortos e 62 feridos, com expectativas de que os dados sejam ainda revistos em alta à medida que as autoridades fazem vistoria dos muitos locais afetados. O Destak mostra uma imagem de um bombeiro a combater o fogo, com a manchete “País reage à tragédia”. O É Notícia, a negro e com vestígios de fumo, escreve: “All together [todos juntos]. Pedrógão Grande.”

Nas capas dos regionais, destaque para o Diário de Leiria e o Diário de Coimbra, com manchetes semelhantes e o título “Rasto de Morte”. O Diário do Minho chama à capa a frase “Portugal de luto com tragédia de Pedrógão Grande”, com uma imagem de vários veículos destruídos pelas chamas. No Açoriano Oriental lê-se: “Tragédia faz 61 mortos e põe país de luto.”

A par de Portugal, é em Espanha que surge a maioria das chamadas de capa da tragédia de Pedrógão Grande. O El País declara: “Um inferno de fogo aprisiona dezenas de portugueses na estrada.” Já o El Mundo indica: “Mais de 60 mortos em Portugal numa emboscada de chamas.” O La Vanguardia escreve: “Um incêndio no centro de Portugal provoca mais de 60 mortos e continua ativo.” O El Correo destaca uma imagem do troço da estrada que liga Figueiró dos Vinhos a Castanheira e Pêra, e chama o título: “A estrada do inferno.”

O maior destaque é mesmo o do ABC, que mostra uma imagem de um bombeiro e indica: “Portugal enfrenta impotente o maior incêndio da sua história.” Outros jornais internacionais a fazerem chamadas de capa com o caso são o Huelva Información, o El Correo Gallego, o Diario de Cadiz, o Diario de Jerez, o EuropaSur, entre muitos outros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O “inferno” de Pedrógão Grande em destaque na imprensa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião