Endividamento da economia atinge máximo de 723,6 mil milhões de euros

  • Margarida Peixoto
  • 22 Junho 2017

O endividamento público, das empresas e das famílias cresceu pelo quarto mês consecutivo. Foram as administrações públicas que deram o contributo mais significativo.

O endividamento total da economia — isto é, das administrações públicas, empresas e famílias, excluindo-se apenas os bancos — atingiu um máximo histórico em abril: 723,6 mil milhões de euros. O número foi revelado esta quinta-feira pelo Banco de Portugal.

Quanto deve a economia portuguesa?

Fonte: Banco de Portugal

Desde janeiro deste ano que a economia portuguesa tem vindo a aumentar o seu nível de endividamento. Em dezembro de 2016 devia 715,2 mil milhões de euros, mas os aumentos têm sido consecutivos. Importará, contudo, avaliar a variação deste endividamento em proporção do PIB, dados que só são apurados trimestralmente. No primeiro trimestre deste ano o rácio do endividamento total era de 385,3% do PIB, ligeiramente abaixo dos 386,7% verificados em dezembro de 2016.

Em abril, a subida foi explicada sobretudo pelo acréscimo de endividamento das administrações públicas: em apenas um mês o endividamento público subiu 4.779 milhões de euros. As empresas privadas também estão mais endividadas, mas o salto foi bem mais ligeiro: 219 milhões de euros.

Já as famílias mantiveram o seu nível de endividamento praticamente inalterado (reduziu-se em dez milhões de euros), apesar de a composição desse endividamento ter sofrido uma ligeira alteração, já que o valor do endividamento para a habitação baixou 173 milhões de euros.

Contas feitas, o setor público deve 315,9 mil milhões de euros, enquanto o privado deve 407,7 mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Endividamento da economia atinge máximo de 723,6 mil milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião