Há 600 edifícios em Inglaterra com revestimento inflamável

  • Juliana Nogueira Santos
  • 22 Junho 2017

Segundo uma porta-voz da primeira-ministra, serão pelo menos 600 os edifícios revestidos com um produto semelhante ao do Grenfell Tower.

Cerca de 600 edifícios em Inglaterra terão sido revestidos com produtos semelhantes ao produto inflamável que foi utilizado no revestimento da Grenfell Tower e que provocou o incêndio que vitimou pelo menos 79 pessoas. A informação foi divulgada na manhã desta quinta-feira por uma porta-voz da primeira-ministra.

“Em termos de quantos edifícios e quantas habitações têm este tipo de revestimento, a estimativa que nos foi dada pelos conselhos é que existem aproximadamente 600 edifícios com revestimento semelhante”, declarou a porta-voz. “Estamos em contacto com todas as autoridades locais para que estes nos enviem as amostras urgentemente e então continuaremos os testes necessários.” Estas estimativas não incluem edifícios na Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte.

Dos testes já levados a cabo, três amostras já apresentaram resultado positivo no que à inflamabilidade diz respeito. Antes destas declarações, no parlamento, a primeira-ministra britânica Theresa May já tinha afirmado que havia uma grande quantidade — “a number of” — de edifícios afetados.

O presidente da Câmara de Londres já reagiu a esta notícia no Twitter, afirmando que “o governo deve assegurar que todos os recursos necessários estão disponíveis” para os testes sejam efetuados. Sadiq Khan considera também que os cidadãos que habitam nestes edifícios afetados devem ser “realojados imediatamente”, enquanto são feitas as intervenções necessárias.

O Grenfell Towers, um prédio de habitação social no bairro londrino de Kensington, alojava entre 400 e 600 pessoas e foi consumido por um incêndio no passado dia 17 de junho. Este era revestido por um produto combustível que continha alumínio e polietileno, usado para embelezar e aumentar a eficiência energética.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há 600 edifícios em Inglaterra com revestimento inflamável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião