Na sombra do Brexit, líderes europeus avançam na defesa

  • Marta Santos Silva
  • 23 Junho 2017

Mesmo sob a sombra do Brexit, o Conselho Europeu está a ser marcado por otimismo e avanços rápidos em áreas em que o Reino Unido sempre foi mais reticente, como a união para a defesa.

O ambiente é de otimismo no Conselho Europeu destes dois dias que junta em Bruxelas os líderes europeus. Apesar da sombra do Brexit, os chefes de Estado e de Governo dos 27, aos quais se juntou a primeira-ministra Theresa May, encontraram-se ontem, quinta-feira, na capital belga para o primeiro de dois dias de conversações conjuntas sob um ambiente alegre. Houve um passo “histórico” para a criação de uma força militar conjunta e uma resolução sobre o clima.

Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, conversa com o francês Emmanuel Macron e a alemã Angela Merkel.Jasper Juinen/Bloomberg

“Este é o 80.º Conselho Europeu em que participo, seja como primeiro-ministro ou como presidente do Conselho Europeu”, disse ontem Donald Tusk, antigo primeiro-ministro da Polónia. “Mas nunca tive uma sensação tão forte de que as coisas estão a correr melhor”, garantiu.

Citado pelo Politico, o presidente do Conselho Europeu assinalou que “o otimismo deve ser muito cauteloso, mas temos boas razões para falar sobre ele. Entre elas, o crescimento económico em todos os países da União Europeia, a queda do desemprego com o maior número de pessoas empregadas alguma vez registado, o acordo financeiro com a Grécia, o crescimento do sentimento pró-Europeu nas últimas semanas, de acordo com as sondagens, as derrotas eleitorais de partidos anti-europeus e vitórias de líderes políticos que estão 100% com a União Europeia, desde a Bulgária e Áustria até à Holanda, claro, a França”.

May desilude na proposta sobre cidadãos europeus

Quais os principais temas na cimeira de líderes? O Brexit, claro, como a presença de Theresa May não deixa de sublinhar, é um deles. As tensões pareceram começar a aliviar-se, com a primeira-ministra a apresentar uma proposta claramente criada para apaziguar os ânimos europeus, ao oferecer uma solução para os cerca de três milhões de cidadãos europeus que residem no Reino Unido.

A solução foi elogiada por Angela Merkel, chanceler alemã, como “um bom primeiro passo”. No entanto, Donald Tusk não gostou da ideia, que disse ser “abaixo das expectativas” e que arriscaria “piorar a situação dos cidadãos”. Também Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia, chamou à ideia “insuficiente”.

Ainda no âmbito do Brexit, os líderes europeus conseguiram, à margem da cimeira, acordar um modelo para escolher quais os países que irão acolher as agências europeias com sede em Londres, a Agência Europeia do Medicamento e a Autoridade Bancária Europeia. O método, inicialmente criticado pelos países mais periféricos, funciona um pouco como o da Eurovisão — através da atribuição de pontos por cada Estado-membro em diferentes voltas.

Um “passo histórico” na Defesa

Além disto, os Estados-membros aproveitaram para dar passos em frente em áreas onde o Reino Unido sempre foi considerado uma força opositora. Um plano de Defesa comum, que foi criado pelos quatro países centrais Alemanha, França, Espanha e Itália, dá início a uma espécie de Europa a várias velocidades, já que os países poderão decidir juntar-se ao programa caso queiram, sem que a relutância de uns impeça outros. De acordo com uma fonte do Politico, o plano recebeu a concordância de todos “em cinco minutos”.

O projeto é a continuação da resolução tomada na Comissão Europeia de criar um fundo de 1,5 mil milhões de euros anuais para financiar a defesa conjunta da União Europeia.

Para Angela Merkel, que falou aos jornalistas, “é um exemplo de uma área em que avançámos muito depressa nos últimos meses, e conseguimos progresso significativo”. Para Donald Tusk é um “passo histórico”, e os Estados-membros começarão agora a definir quais os compromissos e critérios em que concordam, para começarem a cooperar nesta área. Os líderes também encontraram acordos noutras áreas, incluindo uma decisão de prolongar as sanções contra a Rússia durante mais seis meses.

Um renovar dos votos do Acordo de Paris

Numa resolução conjunta, o Conselho Europeu também aproveitou para falar de clima. O compromisso é de “aplicar totalmente e rapidamente o Acordo de Paris, de forma a contribuir para o cumprimento dos objetivos climáticos e continuar a liderar o combate contra as alterações climáticas”.

A decisão é significativa numa altura em que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu retirar o país, um dos mais poluentes do mundo, do Acordo de Paris, passando a ser um de três países que não participam. Os outros dois são a Síria e o Nicarágua, que não assinou o Acordo em protesto por considerar que este não era exigente o suficiente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Na sombra do Brexit, líderes europeus avançam na defesa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião