Bernanke: “A frustração levou Trump à Casa Branca”

  • Lusa e ECO
  • 27 Junho 2017

Só crescimento não chega, avisou Ben Bernanke, ex-presidente da Reserva Federal dos EUA, em Sintra. Bernanke identificou as quatro razões para o pessimismo dos norte-americanos.

O ex-presidente da Reserva Federal (Fed) dos EUA disse esta segunda-feira à noite no Fórum do Banco Central Europeu (BCE), em Sintra, que o Presidente dos EUA beneficiou da frustração dos norte-americanos para ser eleito para o cargo. “A frustração levou Donald Trump à Casa Branca”, lançou Ben Bernanke, durante a sua intervenção no jantar de arranque dos trabalhos do Fórum do BCE.

Segundo Bernanke, “Trump merece crédito” por ter conseguido captar a simpatia da maioria dos eleitores norte-americanos que estavam desiludidos com a situação dos Estados Unidos da América (EUA) no período que se seguiu à grave crise financeira iniciada em 2007.

O ex-líder da Fed catalogou as políticas económicas de Donald Trump como “um ‘mix’ [mistura] entre o populismo e as ideias republicanas”, sublinhando que “a eleição de Trump lança uma importante mensagem: o crescimento não é suficiente”.

A eleição de Trump lança uma importante mensagem: o crescimento não é suficiente.

Ben Bernanke

Ex-presidente da Reserva Federal norte-americana

Antes, Bernanke já tinha vincado que a recuperação económica nos EUA, a exemplo do que aconteceu na Europa, ficou muito a dever-se à política monetária seguida, com as taxas de juro diretoras a baixarem para níveis historicamente baixos e que “há muito trabalho a fazer”, apesar de “as condições económicas parecerem estáveis”.

E destacou: “O foco está a começar a mudar para as mudanças estruturais e de longo prazo”. Na sua opinião, nos EUA, “a recuperação parece ser duradoura”, com o mercado laboral a caminhar na direção certa, o mercado imobiliário a recuperar e o consumo a observar uma subida significativa.

“Há fundamentais positivos de longo prazo”, assinalou, apontando para o “grande mercado” doméstico norte-americano, para a estabilidade proporcionada pelo Governo federal e para a evolução demográfica mais positiva do que noutras zonas do mundo, num país que “continua a liderar na inovação”. Ainda assim, observou, “os americanos parecem extremamente desapontados com a economia”.

E avançou para as quatro razões que, no seu entender, estão na base do pessimismo dos norte-americanos:

  1. A estagnação dos salários, que implica que, “apesar do crescimento económico, a classe média continua a lutar para manter a sua qualidade de vida”;
  2. A quebra na mobilidade social ascendente nos EUA, a subida da mortalidade da classe média – além de um elevado nível de população reclusa, sobretudo, afro-americana, que devido ao cadastro tem dificuldades de voltar ao mercado laboral – e a falta de confiança no Governo federal.
  3. O falhanço social;
  4. A alienação política.

Além disso, notou o responsável, “na última década os ganhos de produtividade foram mínimos” nos EUA, que enfrentou a “recuperação da Europa e do Japão, as economias emergentes e o papel da China”.

Houve países que tiveram sucesso, incluindo Portugal.

Ben Bernanke

Ex-presidente da Reserva Federal norte-americana

Bernanke também falou da Europa, considerando que “também partilha alguns dos problemas dos EUA, como o crescimento do populismo”. Porém, o especialista salientou que o BCE “é uma entidade respeitada” e que as políticas monetárias levaram a uma melhoria da economia dos países europeus.

“Houve países que tiveram sucesso, incluindo Portugal”, declarou, sublinhando que “na Europa, o ajustamento macroeconómico ainda não está completo”. Já nos EUA “há desconfiança quanto à capacidade de o Governo federal corresponder à expectativa” dos cidadãos, acrescentou.

E rematou: “Em termos gerais, o crescimento económico é uma coisa positiva. Dá mais oportunidades para os cidadãos e para os governos. Mas nem sempre é suficiente”.

O BCE volta a reunir em Sintra, a partir de hoje, cerca de 150 personalidades do mundo da política monetária e financeira para debater o investimento e o crescimento das economias desenvolvidas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bernanke: “A frustração levou Trump à Casa Branca”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião