Bruxelas aplica multa recorde à Google de 2,4 mil milhões

  • Juliana Nogueira Santos e Rita Atalaia
  • 27 Junho 2017

A Comissão Europeia acusa a gigante tecnológica de ter abusado da sua posição dominante no mercado dos motores de busca. Google considera recorrer da decisão.

A Comissão Europeia aplicou uma multa recorde à Google de mais de 2,4 mil milhões de euros por esta ter abusado da sua posição dominante no mercado de motores de busca, de acordo com um comunicado de Bruxelas. As autoridades consideram que a gigante tecnológica enviesou os resultados das pesquisas a seu favor.

“A Comissão Europeia multou a Google em 2,42 mil milhões de euros por violação das regras da concorrência da UE. A Google abusou da sua posição dominante no mercado de motor de busca, conferindo uma vantagem ilegal a outro produto Google, o seu próprio serviço de comparação de preços”, pode ler-se no comunicado divulgado esta terça-feira.

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, considera que “a estratégia da Google para o seu serviço de comparação de preços não era apenas a de atrair clientes tornando o seu produto melhor do que o dos seus concorrentes”. Em vez disso, a responsável afirma que a “Google abusou da sua posição dominante no mercado na vertente de motor de busca, promovendo o seu próprio serviço de comparação de preços nos seus resultados de pesquisa e despromovendo os dos concorrentes”.

“O que a Google tem feito é ilegal ao abrigo das regras da concorrência da UE. Negou a outras empresas a possibilidade de competir com base nos seus méritos e de inovar”, acrescenta a comissária. “Mais importante ainda, negou aos consumidores europeus uma escolha genuína de serviços e a possibilidade de tirar pleno partido dos benefícios da inovação”, remata.

As autoridades europeias dão agora 90 dias à empresa liderada por Sundar Pichai para pôr fim a estas práticas ilegais. Caso contrário, a gigante tecnológica enfrentará multas que podem chegar a 5% das receitas globais médias da Alphabet, a casa-mãe da Google.

A Comissão Europeia começou a investigar a Google em 2010 após ter recebido queixas de tratamento injusto por parte de outras empresas da área. Para além deste caso, Bruxelas está a investigar a posição dominante da Google na área dos dispositivos móveis e dos anúncios publicitários.

Google “discorda respeitosamente”

A gigante tecnológica já respondeu às acusações da Comissão, através da palavras do seu porta-voz, Al Verney. Num comunicado citado pela Bloomberg, Verney afirma que “discordamos respeitosamente” da decisão, pelo que a empresa está a considerar recorrer. A tecnológica irá continuar a defender-se, tendo já publicado no seu blogue oficial “o seu lado da história”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aplica multa recorde à Google de 2,4 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião