Bruxelas aplica multa recorde à Google de 2,4 mil milhões

  • Juliana Nogueira Santos e Rita Atalaia
  • 27 Junho 2017

A Comissão Europeia acusa a gigante tecnológica de ter abusado da sua posição dominante no mercado dos motores de busca. Google considera recorrer da decisão.

A Comissão Europeia aplicou uma multa recorde à Google de mais de 2,4 mil milhões de euros por esta ter abusado da sua posição dominante no mercado de motores de busca, de acordo com um comunicado de Bruxelas. As autoridades consideram que a gigante tecnológica enviesou os resultados das pesquisas a seu favor.

“A Comissão Europeia multou a Google em 2,42 mil milhões de euros por violação das regras da concorrência da UE. A Google abusou da sua posição dominante no mercado de motor de busca, conferindo uma vantagem ilegal a outro produto Google, o seu próprio serviço de comparação de preços”, pode ler-se no comunicado divulgado esta terça-feira.

A comissária europeia para a Concorrência, Margrethe Vestager, considera que “a estratégia da Google para o seu serviço de comparação de preços não era apenas a de atrair clientes tornando o seu produto melhor do que o dos seus concorrentes”. Em vez disso, a responsável afirma que a “Google abusou da sua posição dominante no mercado na vertente de motor de busca, promovendo o seu próprio serviço de comparação de preços nos seus resultados de pesquisa e despromovendo os dos concorrentes”.

“O que a Google tem feito é ilegal ao abrigo das regras da concorrência da UE. Negou a outras empresas a possibilidade de competir com base nos seus méritos e de inovar”, acrescenta a comissária. “Mais importante ainda, negou aos consumidores europeus uma escolha genuína de serviços e a possibilidade de tirar pleno partido dos benefícios da inovação”, remata.

As autoridades europeias dão agora 90 dias à empresa liderada por Sundar Pichai para pôr fim a estas práticas ilegais. Caso contrário, a gigante tecnológica enfrentará multas que podem chegar a 5% das receitas globais médias da Alphabet, a casa-mãe da Google.

A Comissão Europeia começou a investigar a Google em 2010 após ter recebido queixas de tratamento injusto por parte de outras empresas da área. Para além deste caso, Bruxelas está a investigar a posição dominante da Google na área dos dispositivos móveis e dos anúncios publicitários.

Google “discorda respeitosamente”

A gigante tecnológica já respondeu às acusações da Comissão, através da palavras do seu porta-voz, Al Verney. Num comunicado citado pela Bloomberg, Verney afirma que “discordamos respeitosamente” da decisão, pelo que a empresa está a considerar recorrer. A tecnológica irá continuar a defender-se, tendo já publicado no seu blogue oficial “o seu lado da história”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas aplica multa recorde à Google de 2,4 mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião