Novo Banco: Máximo dos Santos atento aos “impactos” da venda sobre Fundo de Resolução

  • Lusa
  • 27 Junho 2017

O administrador do Banco de Portugal considerou hoje que há melhorias ao nível do sistema financeiro português.

O administrador do Banco de Portugal considerou hoje que há melhorias ao nível do sistema financeiro português, sublinhando que ainda há questões em aberto, como é o caso do impacto da venda do Novo Banco sobre o Fundo de Resolução.

“Fruto da ação convergente de diversos agentes, têm sido dados nos últimos tempos importantes passos rumo à estabilização do sistema financeiro português”, destacou Luís Máximo dos Santos durante a audição no parlamento no âmbito da sua promoção a vice-governador do banco central português.

“Claro que temos consciência de que há objetivos cruciais que importa ainda concluir e entre eles está – sem dúvida – a venda do Novo Banco e a gestão eficaz de todo o processo, designadamente quanto aos impactos sobre o Fundo de Resolução”, assinalou o responsável, que preside desde março a comissão diretiva do Fundo de Resolução, que é o atualmente o acionista único do Novo Banco, cuja venda está em curso.

Por outro lado, Máximo dos Santos realçou que, “apesar das melhorias, a paisagem bancária europeia continua instável, como bem o demonstra a resolução do Banco Popular Espanha, determinada recentemente pelo Conselho Único de Resolução”.

E salientou: “Conseguimos salvaguardar plenamente a estabilidade da sua filial em Portugal”.

O responsável apontou ainda para “os dois bancos italianos que tiveram de ser resgatados pelas autoridades do seu país” nos últimos dias, revelando que o Banco de Portugal iniciou já “um processo de reflexão interna sobre estes acontecimentos de modo a extrair as ilações que se imponham”.

Estas declarações de Máximo dos Santos foram proferidas durante a sua audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa (COFMA).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Máximo dos Santos atento aos “impactos” da venda sobre Fundo de Resolução

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião