Portugal já tem ok para reembolso antecipado ao FMI

Portugal fez o pedido. Agora, chegou a resposta positiva dos Estados-membros (em sede do Mecanismo Europeu de Estabilidade) para que possam ser reembolsados antecipadamente 10 mil milhões ao FMI.

Portugal já tem “luz verde” para avançar com o reembolso antecipado de mais 10 mil milhões de euros ao Fundo Monetário Internacional (FMI). Os restantes Estados-membros, deram o seu aval aos novos pagamentos, sendo que um deles, no valor de mil milhões de euros, deverá ser feito ainda este mês.

"Aplaudimos a intenção de Portugal realizar pagamentos antecipados relativos aos empréstimos do FMI e estou satisfeito por anunciar que o Conselho do EFSF decidiu autorizar [esse reembolso] e apoiar este plano.”

Klaus Regling

Presidente do EFSF

A 23 de maio, em Bruxelas, o Governo português pediu autorização aos seus parceiros europeus para pagar antecipadamente ao FMI de 9,4 mil milhões de euros dos empréstimos concedidos durante o programa de assistência financeira. A resposta chegou agora através do Mecanismo Europeu de Estabilidade (EFSF na sigla anglo-saxónica): “O Conselho do EFSF aprovou o pedido português”.

“Aplaudimos a intenção de Portugal realizar pagamentos antecipados relativos aos empréstimos do FMI e estou satisfeito por anunciar que o Conselho do EFSF decidiu autorizar [esse reembolso] e apoiar este plano”, diz Klaus Regling, presidente do EFSF, em comunicado. Mário Centeno, o ministro das Finanças, já tinha dito que assim que tivesse a autorização faria mais um reembolso de mil milhões de euros, de preferência ainda em junho.

Estes pagamentos antecipados vão baixar o custo da dívida de Portugal [o custo da dívida ao FMI é de 4,6%], melhorar a sustentabilidade da sua dívida e enviar um sinal positivo para os mercados das melhorias das suas finanças“, acrescenta o responsável, salientando que “isto é bom para Portugal e para o EFSF como o seu maior credor porque ajuda a colocar Portugal numa melhor posição para honrar com os seus compromissos futuros”.

Klaus Regling continua, afirmando que “encoraja Portugal a utilizar qualquer margem orçamental adicional, tais como a que é criada com estes reembolsos antecipados ou da melhoria do desempenho económico, para reduzir ainda mais o seu nível de endividamento”. A dívida bruta do país está em 247 mil milhões de euros, o equivalente a 130,6% do PIB.

(Notícia atualizada com as declarações de Klaus Regling)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal já tem ok para reembolso antecipado ao FMI

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião