João Loureiro: “É chocante dizer que o salário mínimo nacional é elevado”

Num debate sobre as recomendações da Comissão para Portugal, o economista João Loureiro considerou ser chocante dizer que o salário mínimo é elevado. Bruxelas também já tinha mudado o discurso.

O economista da Faculdade do Porto e vogal do Conselho de Administração do BCP considera que “é chocante dizer que o salário mínimo em Portugal é elevado”, mas em termos económicos admite que a percentagem de trabalhadores que recebe o salário mínimo é elevada. A falar esta quinta-feira num painel sobre “O Pacote da primavera e as Recomendações Específicas por País”, João Loureiro defende que o Estado deve deixar o mercado funcionar e, se achar que os salários são baixos, que subsidie.

Ao lado de Carlos Martinez Mongay (Diretor das Economias dos Estados‑Membros, DG ECFIN), Cláudia Braz (coordenadora do Grupo de Finanças Públicas do Banco de Portugal) e o economista Ricardo Cabral (Universidade da Madeira), numa discussão sobre as recomendações dadas pela Comissão Europeia em maio para Portugal, João Loureiro diz subscrever o diagnóstico feito pelas instituições europeias e as suas recomendações, afirmando que ainda há “muito” a fazer em termos de reformas estruturais.

Na opinião de João Loureiro, Portugal tem “uma economia que passou por uma doença”: “Andamos na má vida durante muito tempo, estamos agora a começar a recuperar, mas não podemos ser aqueles doentes que sentem uma melhoria e acham que já podem fazer tudo”, alertou.

Não podemos ser aqueles doentes que sentem uma melhoria e acham que já podem fazer tudo.

João Loureiro

Economista da Faculdade de Economia do Porto

Questionado sobre quem o “pai” da recuperação económica, o economista portuense é cauteloso: “Só se percebe o impacto das medidas de política económica mais à frente”, a jusante. Contudo, João Loureiro afirmou não ter dúvidas que “grande parte dos resultados deve-se a decisões tomadas no passado”. Ainda assim, assinalou como positivo a subida do salário mínimo, dado que continua ser baixo. “É chocante dizer que o salário mínimo em Portugal é elevado”, afirmou, admitindo que em termos económicos a percentagem de trabalhadores que recebe o salário mínimo é elevada.

Grande parte dos resultados deve-se a decisões tomadas no passado.

João Loureiro

Economista da Faculdade do Porto

Por isso, diz ser necessário analisar as consequências que essa subida tem para cima da pirâmide, com possíveis efeitos na competitividade da economia portuguesa. O economista da Faculdade do Porto considera que “às vezes é mais fácil politicamente tomar esse tipo de decisões” como o aumento do salário mínimo porque “não conta para o défice”, exemplificando com o congelamento das rendas do alojamento. “A política de distribuição de rendimento é o Estado deixar o mercado funcionar e, se entender que há pessoas que recebem pouco, subsidiar“, defendeu.

O discurso de Bruxelas sobre o salário mínimo tinha mudado ligeiramente, se comparados os documentos mais atuais com os antigos. A Comissão Europeia reconheceu mais recentemente que reforçar a remuneração mínima ajudou a promover a procura. “Os aumentos do salário mínimo contribuem para reduzir a elevada pobreza entre trabalhadores e podem ter um impacto positivo na procura agregada”, escreviam os comissários.

Comissão: Aumentar o crescimento potencial e a produtividade levará a melhorias na qualidade de vida

No mesmo painel, Carlos Martinez Mongay argumenta que só o crescimento potencial e a produtividade irá melhorar a qualidade de vida dos portugueses, rejeitando a ideia de que é preciso ter uma política orçamental expansionista neste momento. O diretor das economias dos Estados-membros considera que estes dois indicadores “são muito baixos” em Portugal. “A longo prazo o que importa é a nossa capacidade de gerar crescimento potencial”, afirmou, referindo que é preciso incentivar o investimento e, para isso acontecer, é necessário diminuir a dívida pública e privada.

A longo prazo o que importa é a nossa capacidade de gerar crescimento potencial.

Carlos Martinez Mongay

Diretor do DG ECFIN

Uma visão critica pelo economista Ricardo Cabral que, apesar de reconhecer que a UE “é a melhor área em termos de liberdade de opinião e paz”, não perspetiva um futuro risonho para a Europa. “Preocupam-me as recomendações da Comissão“, afirmou, referindo que existem muitas regras com uma “restrição ativa”, o que “tornam missão impossível o seu cumprimento”. Cabral diz ser necessário aproveitar a folga orçamental para reforçar a trajetória positiva da economia e combater as “baixas expectativas” que as gerações mais nova já têm.

A prudência excessiva é tão má como o otimismo excessivo.

Ricardo Cabral

Economista da Universidade da Madeira

O economista da Universidade da Madeira critica ainda a consolidação orçamental realizada no país nos últimos anos, algo “sem precedentes na história do país”. Para Ricardo Cabral, a Comissão Europeia construir “um novo Portugal alemão“, replicando a estratégia da Alemanha nos países da Zona Euro. Na opinião do economista essa visão “cria muitas instabilidade na economia mundial”. “A prudência excessiva é tão má como o otimismo excessivo”, assinalou, pedindo à Comissão que faça “objetivos o mais realistas possíveis”.

“Bónus do crescimento deve ser usado para diminuir o défice”

O “bónus” do crescimento em Portugal não deve ser usado para aumentar a despesa, mas sim para diminuir o défice e, consequentemente, o peso da dívida. É essa a opinião da Coordenadora do Grupo de Finanças Públicas do Departamento de Estudos do Banco de Portugal, Cláudia Braz, também presente no painel, que ressalvou não estar a expressar a opinião do Banco de Portugal. Mesmo assim, a especialista em Finanças Públicas considera que a “trajetória descendente da dívida será relativamente lenta”.

Quanto à evolução do défice de 2017, Cláudia Braz considera que, apesar de existir distorções na análise para comparar, existe melhoria. A especialista foca no aumento superior a 20% da receita do IRC e o “ótimo comportamento das contribuições sociais”. Contudo, denota que há “incerteza para o conjunto do ano”, especialmente do investimento, uma rubrica que “vai afetar muito a execução ao longo do ano” uma vez que existe eleições autárquicas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

João Loureiro: “É chocante dizer que o salário mínimo nacional é elevado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião