Governo estima que fique em 22 mil o número de precários que pediram integração

  • Lusa
  • 30 Junho 2017

Precários do Estado têm até hoje, sexta-feira, para submeter o requerimento de regularização do vínculo junto da administração pública.

O ministro do Trabalho estimou hoje que fique em cerca de 22 mil o número de trabalhadores precários do Estado que apresentaram um requerimento para solicitar a sua integração nos quadros da administração pública.

Hoje é o último dia que os trabalhadores precários do Estado têm para submeterem o requerimento para regularizarem o vínculo junto da administração pública.

Questionado pela Lusa sobre o número de pessoas que já entregaram o requerimento, o ministro do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social disse que os últimos dados apontam para cerca de 22.000 pessoas, mais 2.000 face aos números divulgados na quinta-feira.

“A grande maioria das pessoas solicitou a avaliação da sua situação através do sistema informático”, mas algumas situações deverão chegar “por papel” nestes últimos dias, afirmou Vieira da Silva à margem do encontro comemorativo dos 20 anos da Rede Construir Juntos, organizado pelo Instituto de Apoio à Criança.

O governante avançou que “os últimos dados apontam para cerca de 22.000 pessoas e deverá ser em torno deste valor que vai ficar no final deste processo”.

Após esta fase, seguir-se-á a avaliação dos requerimentos, que conta com “a colaboração dos serviços no sentido de poderem verificar outras situações que não foram alvo de requerimento individual”, explicou.

O objetivo é que “todos os casos que sejam considerados incluídos neste conceito de trabalho precário ilegítimo ou trabalho a prazo que não tem justificação legal possam ser convertidos em vínculos duradouros para todos aqueles que o queiram”, salientou.

A proposta de lei que vai regular o Programa de Regularização Extraordinária dos Vínculos Precários da Administração Pública (PREVPAP) foi aprovada na quinta-feira em Conselho de Ministros e deverá seguir hoje para a Assembleia da República.

Em julho, é a vez de os dirigentes de serviços proporem os precários a integrar, cabendo às comissões bipartidas (uma em cada ministério) emitir um parecer.

Na proposta que foi aprovada em Conselho de Ministros e apresentada pelo ministro do Trabalho, Vieira da Silva, está determinado que os trabalhadores precários do Estado que respondam a uma necessidade permanente e que tenham pelo menos um ano de serviço vão poder candidatar-se ao concurso para verem o seu vínculo regularizado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo estima que fique em 22 mil o número de precários que pediram integração

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião