Fábrica de Ronaldos, Portugal ganha milhões a exportar talentos

  • Bloomberg
  • 1 Julho 2017

Os campos de treino do Benfica, Sporting e FC Porto representam fábrica futebolística que se transformou na mais influente deste mercado que gera vários milhares de milhões em transações.

Sob o céu azul português sem nuvens, em campos verdes imaculados, é grande a pressão para produzir a próxima exportação multimilionária.

Os campos de treino de futebol dos grandes rivais Benfica e Sporting Clube de Portugal representam uma fábrica futebolística que se transformou na mais influente deste mercado de jogadores de 5.000 milhões de dólares. Enquanto um dos países mais pobres da Europa, Portugal tem uma influência desproporcional no desporto graças à sua capacidade de formar talentos.

Portugal exportou o melhor jogador europeu da atualidade — Cristiano Ronaldo, do Real Madrid — e um dos treinadores mais vencedores — José Mourinho, do Manchester United.

Logo após a abertura da janela de transferências em Inglaterra, a liga mais rica da Europa, neste mês, equipas e jogadores portugueses envolveram-se em algumas das transações que mais se destacaram. Quatro atletas mudaram de clube por um valor combinado de 160 milhões de euros (178 milhões de dólares) que inclui a compra de Ederson, do Benfica, pelo Manchester City a um preço que transforma o jogador de 23 anos no guarda-redes mais caro da Premier League.

“As pessoas sabem que os nossos jogadores não serão baratos porque temos um bom histórico”, disse o diretor-executivo do Benfica, Domingos Soares de Oliveira. “Quando os vendemos, queremos que sejam bem-sucedidos. Se um jogador não é bem-sucedido depois de o vendermos, isso afeta a nossa marca.”

Simplificando, as equipas portuguesas formam atletas para as ligas mais lucrativas do desporto mais rico do mundo. Isso entrega ao país de 10 milhões de habitantes, que obtém uma receita doméstica limitada com direitos de televisão e merchandising, uma fatia do que rende o futebol global. Os clubes, por sua vez, usam o dinheiro para manter a linha de produção em funcionamento e corrigir as finanças impactadas pelo legado de dívidas e má gestão, algo muito comum no futebol europeu.

Juntamente com o FC Porto, os três principais clubes de Portugal venderam quase mil milhões de dólares em talentos nos últimos seis anos para equipas de outros países.

Portugal exportou o melhor jogador europeu da atualidade — Cristiano Ronaldo, do Real Madrid — e um dos treinadores mais vencedores — José Mourinho, do Manchester United. Contrariando as expectativas, a seleção portuguesa foi campeã europeia com uma vitória sobre França, no ano passado. O país também tem o agente mais destacado, Jorge Mendes, conhecido em toda a Europa por uma rede de contactos que gerou centenas de milhões de euros em transações no futebol.

Em comparação com alguns clubes grandes, não temos dinheiro suficiente para comprar alguns jogadores, por isso temos que formar os nossos próprios atletas.

Nuno Gomes

Ex-jogador e diretor do centro de treino do Benfica

“Em comparação com alguns clubes grandes, não temos dinheiro suficiente para comprar alguns jogadores, por isso temos de formar os nossos próprios atletas”, disse Nuno Gomes, ex-jogador e atual diretor do centro de treino do Benfica. “Investimos muito nessa área específica.”

A esperança é de que, um dia, os clubes portugueses possam manter os jogadores por mais tempo para tentar igualar o nível dos maiores clubes da Europa. Na realidade, apesar de Portugal ter uma influência desproporcional, há poucas possibilidades de o país eliminar a diferença em relação às grandes ligas, que recebem a maior fatia da receita do continente com direitos de TV e merchandising.

“O nosso objetivo é encontrar uma maneira de ter sustentabilidade económica para recusar ofertas”, disse Nuno Gomes. “Ainda não chegámos a esse nível. Espero que isso seja possível no futuro.”

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fábrica de Ronaldos, Portugal ganha milhões a exportar talentos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião